sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Os olhos de meu Pai


Fazias hoje 101 anos. Em tantos anos que passamos juntos, tive tempo para te conhecer bem. Lembro-te novo, lembro-te velhinho, doente, morto. Mas o que mais recordo, são os teus olhos.
Quando nasci, devo ter visto, entre as senhoras que assistiram ao meu nascimento, um homem que me pegou e deve ter visto o meu primeiro olhar. Os teus olhos brilhavam de alegria e uma lágrima teimosa correu deles. Eram lindos os teus olhos, Pai. Doces e marotos, duros como pedras quando te zangavas. Tantos olhares em dois olhos! Comovias-te facilmente com qualquer coisa, mas chorar, vi-te poucas vezes. Duas por minha culpa, uma quando a Mãe morreu e outra quando a Avó partiu.
Perdoa as lágrimas que te fiz chorar. A primeira vez, quando tive a poliomielite, no meio das dores que me torturavam a cara e a cabeça, vi um rio delas pela tua cara abaixo, sem pudor nem vergonha. A segunda vez foi quando te disse que ia ter um filho. Lembras-te Pai? Conhecia bem o teu feitio e tive medo. Barriquei-me atrás do sofá, para proteger o meu filho, disse-te e fiquei à espera da bofetada, dos gritos e insultos. Não vieram. Levantei os olhos para os teus e em vez da dureza que esperava, vi tristeza, lágrimas e só ouvi a frase sussurrada: “ tinhas de ser tu a dar-me este desgosto!”. Expliquei que me iria casar. Estavas branco, mal falavas e quando fomos para a mesa disseste: “vê se comes alguma coisa de jeito”. Anos mais tarde falámos desse dia e confessaste que aquilo que tinha sido um grande desgosto, se tornara numa grande alegria.
Eram felizes os teus olhos no dia de hoje. Gostavas de ver a casa cheia, a mesa farta, o vinho a correr. Mas os teus olhos procuravam a todo o momento, os filhos, os netos, os bisnetos. Eram doces, então. Ficavam cor de mel e pareciam escorrer ternura.
E agora Pai? Onde estão os teus olhos?
Um beijo grande, meu primeiro e eterno amor.
Até um dia destes.

19 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariazinhmiga

Nuns últimos minutinhos, ainda passei por aqui, esfregando os olhos de espantação. A gaja coltou? Não queria acreditar. Mas, voltaste mesmo. Senti(mos) a tua falta e espero que não haja mais interregnos. No ano do centenário da nossa Reública, não há lugar para monarquismos obsoletos...

Um Pai é um Pai e um gato é um gato. Do meu, que perdi quando o começava a entender - eu tinha 18 anos quando ele se finou com um cancro no duodeno -, guardo a bondade e as lágrimas na única vez que me bateu, e levemente, aos meus dez anos endiabrados.

Tens uma arte especial para relembrares os teus tempos do antigamente. O teu Pai deve ter sido, foi, certamente, um gajo bué da fixe...

3abs & qjs para tu

PS (no comments) - E vê se descobres onde vou cu meu harem...

Maria disse...

Henriquamigo
Este Homem era um arrasta multidões.
Toda a gente gostava dele. Entrava e não havia mais ninguém. Tinha sempre uma "laracha", como ele dizia, uma brincadeira, gostava de viver, comer e beber. Mas quando era preciso dava a camisa a qualquer um. Connosco era um pai quase perfeito, salvo na adolescência que não entendia bem. Talvez sentisse que lhe estávamos a fugir. Foi um gajo bué da fixe, sim. Os netos adoravam-no.

Ps(no comments idem)
Nunca tive jeito para adivinhas. Será que vais voltar a Goa?

Abs dos homes, beijinho para a Raquel e queijinhos para tu
Maria

Alva disse...

Maria,

Há quem diga que os olhos são espelhos da alma...
E também há quem diga que se vê Deus pelos olhos de uma criança...

E eu digo que basta um olhar das pessoas que amo, para me tranquilizar...

Emocionaste-me com este teu texto cheio de ternura para o teu pai.

Beijinhos da tua Pequenina que sempre gostou muito de ti,
Alva

Maria disse...

Pequenina
Tudo o que dizes é verdade. Os olhos não enganam. Nós,às vezes, é que nos esquecemos de olhar para eles. Sempre foi a primeira coisa que olhei em alguém. Por isso te digo, com os olhos nos teus, que gosto muito de ti.
Beijinho
Maria

Andre Moa disse...

Querida Maria,
Ressuscitaste e ainda bem, para gáudio de todos nós, teus amigos. Terminas este belo e ternurento texto sobre os olhares do teu pai, perguntando:"E agora pai, onde estão os teus olhos?"
Sabes qual é a resposta? É esta: os olhos do teu pai estão nos teus, revistos, relindos e aumentados.
Que lindo olhar o teu!
Que espelhos de alma os teus olhos!
Beijinhos.
André Moa

Maria disse...

Querido André
Obrigada pelo teu comentário. Foi um grande incenctivo.
Os olhos de meu Pai eram únicos. Mas por vezes, vejo-os nos olhos do meu irmão, nos do meu filho mais velho. Estão cravados dentro de mim.
Como te sentes?
Amei o "Não te exaltes Isaltina". Já vi e ouvi, muitas vezes.
Os teus olhos também são o Espelho da tua alma.
Beijo grande
Maria

Alfredo M B Caiano Silvestre disse...

Olá.
Gostei.

Um beijo do Alfredo.

Laura disse...

Querida Maria, acho que o amor da nossa vida, o amor primeiro foi o do nosso pai, como eles eram lindos, ternurentos e amados...

Para os pais engravidar antes de casar era cá um fado! mas os tempos mudaram e ainda bem. E que bom que tudo passou.
É só aquele momento,depois vem a calmaria, os netos ansiados e amados... é ternura para toda a vida.
Um beijinho e o post já tardava..
da tua flor de linho, laura

Maria disse...

Amigo Alfredo
É sempre muito bom ter noticias tuas.
Beijo
Maria

Maria disse...

Querida Laura
Tempos idos em que tudo era um pouco mais díficil. Faziam um bicho de sete cabeças de uma coisa tão simples. O meu pai aceitou, mas havia outros que nem por isso aceitavam uma gravidez sem casamento. Hoje é tão natural isso acontecer. Tudo está mudado e nem tudo para melhor.
Amo o meu Pai. Tenho tantas saudades dele, que às vezes, chego a sonhar que falo com ele. São longas as nossas conversas.
Tu sabes como é. Amas o teu assim.
Beijo grande.
Maria

Laura disse...

Pois sei Maria, especialmente quando estou triste e converso com ele pois sei que me ouve. Há palavras que só lhe digo a ele e à minha mãe nunca as direi.
O meu pai também nasceu sem pai e não ia ralhar, mas os tempos eram outros e muitos punham as ninas fora de casa, que castigo tão duro por amar demasiado... Ainda há quem faça isso, claro, mas não tanto. Eu se isso acontecer, seja lá como for,estou aqui para amar, amar e ajudar.
Um beijinho da laura

Maria Soledade disse...

Kida Maria;Que belo presente de aniversário ofereceste ao teu Pai.Não ouves ele a segredar?!Filha, os meus olhos estão contigo.Ofereci-tos no dia em que parti...

Sabes,gostei muito do que escreveste...oh,lá estou eu a chorar!...Mais uma vez...São lágrimas de alegria por ver que a minha menina não esqueceu o meu dia...Não esqueceu oa meus olhos...

Ah,não desistas de escrever senão...lá fica o meu olhar de...zangado,ahahahahah!!

Parabéns Linda, para ti, e para o teu Paizinho...

Beijinhos MUUUUIIIIITOOOSSSS

MUUUUAAAAHHHH*********************

Maria disse...

Querida Laurinha
Tenho falado muito com o meu Pai.
Neste mês nasceu, neste mês o perdi. Penso nele a toda a hora. "Vivo" os seus últimos dias como se estivessem a passar-se agora. É muito doloroso, mas é a minha forma de estar mais perto dele.
Beijinhos e obrigada pelas tuas palavras tão doces.
Maria

Maria disse...

Sol, minha querida amiga
Tu entendeste tão bem o que sinto! A dor faz-nos ver melhor a dor dos outros. Já passei por muitas, mas a perda do meu pai deixou marcas no corpo e no espírito da tua Maria. Ele foi meu pai, meu confidente, meu educador, meu professor. Deu-me tudo o que sou e quase tudo o que sei.
Quando deixou de ouvir, ele dizia que eu era "os seus ouvidos". Eu ia-lhe dizendo o que estavam a falar. Até ao telefone me ouvia. Quando eu entrava, dizia sem olhar: "vem aí a minha filha". Olhava-me nos olhos e sabia sempre como eu estava. A nossa ligação era muito forte. No dia 20 faz 9 anos que partiu. Este mês é péssimo para mim.
Obrigada minha amiga, por no meio do caos da tua vida, ainda teres tempo para mim.
Beijo grande.
Maria

Laura disse...

Maria; o meu pai teve leucemia aguda, logo, em 18 dias, foi-se! eu deitava-me ao lado dele na cama dele em casa, falava com ele, ele de olhos fechados acenava, já estava mal e nem sabiamos o que tinha. depois os amigos levaram-no para a Clinica contra a vontade dele, meu Deus, como foi doloroso ouvir as palavras da anemia fulminante...e como doeram aqueles dias a esperar sempre as melhoras, mas não! Foi-se...doloroso, muito, muito, mas eu sei que ele não nos esquece e que vive num outro mundo, eu sei e sinto.
Beijinho da laura

Corvo disse...

Já tinha lido este post, mas tudo o que aqui posso comentar é já sabido da tua parte.
Por isso não comentei de imediato. Palavras, para quê?

Faço um reparo: Quando dizes o que os seus olhos procuravam, esqueceste - ou omitiste - uma pergunta que frequentemente fazia "onde está a minha fila?"

Talvez não tenha deixado logo um comentário, porque quando acabei de ler, só me lembrei dos olhos do meu avô no seu último dia.

Beijo.

Maria disse...

Meu Corvo
Foram para nós dois os últimos olhares e os últimos beijos dele.
Talvez ele assim quizesse.
Beijo
Mãe

Zé do Cão disse...

Maria.
Que sentimentos, mulher.

Pai é pai e é venerado, quando estamos encantados com ele.
Como tudo na vida tem um fim, fica-nos a saudade.

bj.

Anónimo disse...

Lindo! Fez-me recordar os olhos de meu pai e quantas saudades eu tenho dele tambem! Sinto um conforto inexplicável nas suas palavras. Quem bem que escreve!