terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Cheiros e cheirinhos

Tenho uma memória olfactiva muito grande. Qualquer aroma me faz lembrar alguém, um local, um momento.
Hoje senti um leve perfume que me lembrou a minha Mãe. O cheiro dela está sempre presente mas, foi um leve cheiro a rosa que me despertou. Ela fazia uma água de rosas com folhas delas, álcool, tintura de benjoim e água. Era o seu perfume, misturado com o do creme Nívea e o Pó de arroz Thaber e, claro, o cheiro a mãe, esse cheiro que nós nunca esquecemos, porque é único.
Depois, lembrei-me de outros aromas: o cheiro a pinhal, a Ria, a moliço. A casa da quinta que cheirava a lenha a arder, a comida, a bolos, a camas com colchões de palha de milho, lençóis cheirando a lavado e alfazema, grossos cobertores de papa. Quartos cheirando a cera, aos perfumes e pós das tias, o cheiro de cada uma. De manhã o perfume dos sabonetes Confiança, que todas usavam, enchia a casa de mistura com cheiro a manteiga acabada de fazer, pão quente, café e chá. Era bom.
Lembro o cheiro da Maria do Céu, a empregada que fazia a manteiga, cheiro a leite, a avental branco muito limpo, onde às vezes me encostava quando estava triste ou me ralhavam.
A minha Avó cheirava a lavanda. O meu Pai a sabão e Pó Avelar para os dentes. Perfume não era para homens, dizia. Cheirava a tabaco e a Pai.
O meu marido, antes de se tornar num anti-tabagista chato, cheirava a Clan ou a Negritas. É raro pôr perfume mas gosto do cheiro dele e conheço-o a léguas.
Ficava aqui o dia todo a falar dos cheiros que gosto e, dos que não gosto
Só falta dizer que sou infiel aos perfumes que uso. Há três que são imutáveis: “L’Air du Temps” de Nina Ricci, “Calèche” de Hermès e “Intuition” de Estée Lauder. Depende do dia e da disposição.
Tenho-os sempre. O fornecedor? O meu marido, claro.
Até um dia destes.

21 comentários:

Zé do Cão disse...

Minha Querida Maria. Gostei esta dos cheiros.
sabonetes Confiança. Sabes onde são feitos? ainda hoje existem. Em Braga Conheço a Fábrica e só te digo que perdias a vontade de lá voltar.
Todas as gorduras, quase liquidas e o fedor que tudo aquilo cheira, fez-me confusão como dali saem sabonetes tão bem cheirosos.
Cera nos quartos. Da amarela?
Colchões de palha de milho. E quando aparecia um troço que nos arranhava as costas. São tempos lindos.
e os colchões de cotão. Quentinhos de maravilha. Eu tinha uma fábrica de Lanificios ao pé de porta.
beijos

Je Vois la Vie en Vert disse...

Olá Maria,
Foi bom encontrar-te no meu cantinho e ler-te hoje !
Eu, infelizmente, não tenho a faculdade que tens de te lembrares destes cheiros todos. Tenho as chamadas vegetações que me provocaram alterações do paladar e do olfacto.
Só espero não chegar ao estado da minha mãe que perdeu completamente o olfacto há vários anos e tornou-se perigoso ficar em casa porque deixava as coisas a queimar sem dar por isso.
O meu perfume preferido é o Ralph Lauren e toda a gente me diz sempre que cheiro bem quando passam por mim depois de o ter vaporizado no meu pescoço e nos punhos, enquanto eu já não dou por ele passado alguns minutos...
Um dia perdi um lenço meu num concerto e uma colega minha o encontrou e guardou. No ensaio seguinte, ela perguntou se não era o meu lenço porque o cheiro que tinha lhe lembrava alguém, eu.
Do Congo, lembro-me do cheiro à goiaba e no outro dia perguntei ao meu irmão se tínhamos uma goiabeira no nosso jardim em Leopoldville e ele confirmou isso.
Beijinhos, minha amiga
Verdinha

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Queridamariamiga

Um marido como o teu ékeu gostava de ter..., chiça, enganei-me. Os meus mais veementes pedidos de desculpas ao Santo Artista. E ele que se pnha bom de todo e se deixe de mariconadas como dizem os espanhois.

Quanto aos cheiros, tem piada: na Minha Travessa acaba de sair à rua um post similr. Vai lá ver e comenta. E mais não digo

3qjs&abçs paratu ou birse-bersa

Osvaldo disse...

Olá Maria.

Cheiros, cheirinhos e...

Também sou dos que certos cheiros fazem lembrar lugares, momentos ou pessoas.
Mas o cheiro que mais lembranças me traz são os cheiros das queimadas para a plantação em que os meus avós maternos faziam isso regularmente no fim do inverno para prepararem as sementeiras.
Esse cheiro inconfundivel, leva-me sempre até eles.
bjs e abraços aos homens.
da Anita e Osvaldo

Maria disse...


A saudade pode ser triste ou alegre mas, quando se chega à nossa idade, é principalmente Ela que nos ajuda a levar a vida.
Os cheiros lembram muito da nossa vida. Eu gosto de lembrar, tu também. E recordar,amigo, é viver.
Os meus sonhos, agora, são todos com o passado, povoados de sombras e factos, de locais e cheiros.
Somos uns saudosistas, amigo e, ainda bem.
Beijo
Maria

Maria disse...

Verdinha amiga
Uma das minhas terapias preferidas é entrar numa loja de perfumes. Ando lá dentro muito tempo, respiro fundo, embrulho-me naqueles aromas todos e, quase sempre, saio com mais um frasquinho dele. A seguir aos livros são o melhor presente que recebo.
Há alguns que não gosto. Adoro os que cheiram a fruta e algumas flores.
Gosto do teu mas, nunca o usei.
Abraço amigo
Maria

Maria disse...

Henriquamigo
O santo desculpa e agradece.
Os teus "perfumes" são diferentes.
Como diz o meu filho mais velho, são Biodesagradáveis.
O "aroma" de gases de cão é horrível. Até ele foge.
Dá uns "Gómitos"(versão da minha ajudante de vómitos)!
Beijinhos à Raquel e para tu da
Maria

Maria disse...

Osvaldo
Bem aparecido, amigão.
É. Os cheiros levam-nos longe. Tão longe que correm toda a nossa vida. Cheiro a infância, cheiro a adolescência, cheiro a amor, cheiro a bebés, filhos e netos..
Que bom é o cheiro de um bebé. Acho que é o cheiro que mais gosto.
Abs. dos homens e beijinhos para a Anita e para ti
Maria

Ritinha disse...

Há cheiros que nós associamos sempre a determinadas pessoas. Todas as pessoas tem cheiro e aquelas que, para nós, cheiram melhor só as que nós mais gostamos :D

beijinho

Maria Soledade disse...

Minha Linda; A saudade é um privilégio para nós.Porque se sentimos hoje saudade é porque fomos amadas e amamos.A minha Mãe sempre usou o Escada(1º)e eu adorava chegar-me a ela e sentir aquele cheirinho.O meu Pai era muito vaidoso e, naquele tempo só me lembro(era pequenita)que o perfume tinha um barquinho e o frasco era branco.O cheiro do Júlio aínda o tenho bem presente.Massajava-o todos os dias com Eau de Rochas e depois punha-lhe o seu sempre perfume favorito:Armani

Cheiros de infância poucos tenho porque vivi sempre na cidade embora muito perto da praia.Volta e meia conforme a vontade do vento gostava do cheirinho a maresia e...pouco mais. Ah, a cera sim,pois naquela altura todo o chão era de soalho encerado.

Recordar é viver, e sentir saudade é bom,porque é igual a...AMOR...

Beijinhos minha Linda

****Como sempre um belo texto

Laura disse...

Maria querida!

Cheiros a velhos tempos
guardados em saquinhos de lavanda
quais perfumes domingueiros
sabonetes de feno
que eram os meus preferidos
da marca Musgo real.

Ai os cheiros
que envolviam a gente
nas lembranças que já lá vão e que tantas vezes
queremos ter de novo
para aconchegar ao coração...


Como te entendo nesses cheirinhos que me levaram ao cheiro do leite coalhado na casa da avó Laurinha, ao mel que punham no prato em cima de fatias de pão de milho, ai que cheirinho aquele...

lembrei de rebolar no feno recém segado, pois podia ir por ali abaixo, ficava tonta, acabava, voltava ao mesmo sob o olhar das tias que hoje, ausentes...

Um beijinho minha querida, da tua flor de linho

Maga e Joao disse...

Ritinha
Os cheiros dos que amamos nunca esquecem. Ainda "sinto" os cheiros dos meus pais, que perdi há muito.
Lembro-me do cheiro dos meus bebés, o cheiro mais doce e terno que conheço.
Tenho saudades do cheiro a Primavera que nunca mais volta.
Beijinhos
Maria

Maga e Joao disse...

Sol querida
Os cheiros são das memórias mais fieis dos que nos são queridos.
Quando sinto o cheiro de um bebé, fico sempre comovida, porque me lembro do cheirinho dos meus. Não gosto de pão e, adoro o cheiro a pão quente. E o cheirinho do café acabadinho de moer e fazer? Hum.... que maravilha!
E as flores na Primavera? Tão bom!
Beijinhos
Maria

Maga e Joao disse...

Laurinha
Acho que o meu computador está maluquinho. Troca-me as voltas. Vou ver se o mestre lhe dá a volta e já te respondo.
Beijinho
Maria

Laura disse...

Maria; não é só o teu PC, o meu e de muitos amigos, anda tudo tolo, foi da carga electromagnética que aconteceu e em breve poderemos ficar todos a escrever a lápis à luz das velas... e que regressar ao passado.

Um beijinho

laura

Kim disse...

Oi Petite Marie!
Cheirinhos? Coisa boa!
Desde Aramis até um raminho de alfazema, qual deles o melhor.
Já tinha saudades do teu cheirinho!
Beijinho

Maria disse...

Todos os cheirinhos que falas são meus conhecidos.
E há mais: o cheiro da marmelada feita em grandes tachos de cobre, o vinho a ser feito, os enchidos, já temperados e cheios a fumar na cana do fumeiro.............
Tantos, Flor de linho, que já não voltam mais.
Beijinhos
Maria

Maria disse...

Kim
Entre cheiros e cheirinhos, sempre vivi.
Sabes um cheiro de que gosto? De uma bela sopa. Sabes o que queria? Que todos no mundo a cheirassem e comessem.
Era bom, não era?
Beijo
Maria

Laura disse...

Maria; a avó laurinha tinha enormes vasilhas com a carne das chouriças durante dias em vinha d'alhos que eu ajudei muitas vezes a cortar a carne e a descascar alhos..ela deixava-me provar, metia o braço até ao fundo, a colher não mexia tão bem o colorau como a mão...que bom...cheirinhos dos campos do feno recém cortado, cheirinhos do verde dos campos enquanto o vento brincava por ali a dançar com as ervas altas...os sapatinhos em flor a balouçar, tão lindo que era.

Um beijinho da flor de linho

laura

Corvo disse...

Demorei mais tempo a comentar este post, mais vale tarde que nunca.
Quanto a cheiros, também tenho alguns exemplos:
Por exemplo, o cheiro dos meus livros, revistas e jornais antigos (alguns com mais de cem anos), faz lembrar-me o escritório do meu avô;
Um cheiro que já tenho sentido em alguns jardins - não é a rosas, mas é outra flôr - relembra-me o quintal de casa da tia Bia;
Depois, há cheiros que não esqueço. Mesmo que os não encontre, lembro-me de tal maneira deles que até parece que os sinto: o cheiro da vossa sala de leitura, o cheiro da grafonola do avô, a brisa do pátio da Residencial União, sei lá que mais...
Agora, o cheiro a mãe, embora saiba muito bem qual é, ainda não o consegui sentir sem ser na própria.

Maria disse...

Meu Corvo
Cada mãe tem um cheiro para cada filho.
Eu, que nunca dei de mamar a nenhum, por impossibilidade, tentei sempre, dar-vos o biberon, bem encostados a mim, para vocês me conhecerem bem. O Rafael, ao príncipio de vir para cá, punha-le uma peça de roupa da mãe, ao pé da almofada para ele dormir.
Cada mãe tem só um cheiro. Cada filho o guarda da maneira que o sente.
Lembro-me do cheiro da minha e, espero que contigo se passe o mesmo. É sinal que valho algo para ti.
Dos outros cheiros que falas, lembro todos com muita saudade.
Beijinhos da
Mãe