segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Mágoa



Mágoa!
Mágoa e dor
Com os olhos rasos de água
E o peito cheio de amor.
Finjo!
Finjo tanto,
Que dos meus olhos o pranto
Cai no meu peito que cinjo.
Ardem!
Ardem  as gotas de água
Que no meu rosto não caem
E me causam maior mágoa.

Maria

Até um dia destes.
Maria

16 comentários:

Alfredo Caiano Silvestre disse...

Até um dia destes.
Sem essas mágoas.

Beijo.

José Rodrigues Dias disse...

Caríssima Maria:

Tão bonito! Triste!
Sim, os alcatruzes descem mas, depois, sobem, sempre sobem. Sobem sempre os alcatruzes!

Muita força para si, Maria, com muita estima,

J. Rodrigues Dias

Alva disse...

Olá Maria

Gostei muito do poema, mas espero que seja apenas o teu "eu" poético a falar e que não estejas a sentir mágoa e dor...
Ânimo!

Mil beijinhos
Da tua Pequenina

Um Jeito Manso disse...

Mary,

Tanta tristeza, tanta mágoa.

Deixe isso, tente esquecer o que a magoa, pense só nas coisas boas, anime-se, deixe que o tempo lave as tristezas, o tempo vai lavar tudo isso, vai levar isso para longe.

Sorria, Mary, não pense em lágrimas e tristezas.

Um beijinho!

Olinda Melo disse...

Querida Maria

Sentido poema, que deixa entrever a mágoa de quem muito ama.

Desejo-lhe uma muito boa noite.

Beijinhos

Olinda

MCP disse...

Olá querida Maria,
Lindo o seu poema "Mágoa", mas muito triste, definindo o seu estado de espírito.
Olhe amiga, o mês de Agosto, tem para mim uma mistura de alegrias e tristezas. Foi em agosto que nasceram os meus filhos mas também foi em Agosto que perdi uma filha pequenina e o meu pai, isto há 36 e 20 anos...
Deveria gostar, como a maior parte das pessoas, do mês de Agosto, tempo de descanso, férias,convívio
entre as pessoas, no entanto sinto uma enorme nostalgia e também "Mágoa" por todas as recordações que me traz.
Sinto o seu poema (não sabendo eu dizê-lo em verso) dentro do meu coração.
Desculpe não conseguir animá-la.
Oxalá os seus dias voltem a ter alegria.
Beijinhos grandes.
MCP
Beijinhos amiga

Maria disse...

Meu amigo Alfredo:
Tanto tempo sem saber de ti!
Foi bom apareceres. Um sorriso, animou a tua sempre amiga
Maria

Maria disse...

Meu amigo Poeta:
Os alcatruzes estão em baixo, como eu.
Obrigada pelo comentário e pelos seus desejos, meu amigo
Maria

Maria disse...

Pequenina:
Infelizmente o poema sou eu toda.
Vai passar, não te preocupes.
Beijinhos
Maria

Maria disse...

Amiga:
Acho que o meu sorriso morreu. Ficou a mágoa.
Tento reagir e não consigo.
Obrigada pelas suas animadoras palavras.
Beijinho grande
Mary

Maria disse...

Querida Olinda:
Obrigada pelo seu comentário.
Ainda está de férias?
Beijinho
Maria

Maria disse...

MCP:
Todos os meses são marcados por dores e alegrias. Este ano foram quase só dores.
Quando vamos encontrar-nos, aqui numa esquina?
Até lá, o meu obrigado e beijinho amigo
Maria

Je Vois La Vie en Vert disse...

Olá querida Maria,

Magnifica poema que não esconde me nada os teus sentimentos. Espero que o facto de o ter "botado" para fora, como dizem os brasileiros tenha tido um efeito positivo.
Entendo-te tão bem, sabes porque, sabes, porque sofri muito no ano passado e ainda há pouco tempo - sem falar das minhas dores corporais - mas tenho esta faculdade de não gostar de virar a cabeça para trás - aliás, não consigo porque provoca-me dores insuportáveis por causa das hernias cervicais...;)- e só quero olhar para frente para ver o que ainda tenho para viver e com felicidade.
Miinha querida amiga, uma grande abraço e um conselho : veste-te de branco, canta - mesmo se não tens voz - sai ou vai à janela apanhar luz e verás que tudo passa...

Verdinha

Maria disse...

Minha querida Verdinha:
Obrigada pelas tuas palavras e conselhos. Vou mandar-te um Email.
Os teus ossos não te deixam em paz, amiga. Tenho saudades tuas.
Abraço grande
Maria

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

E veio, uma bela poesia, mesmo dolorida, cheia de mágoa, da pópria Maria. Vamos adoçar, esse querido coração fraterno, tão cheio de amor.
Que a dor se mude!

Beijinhos,minha irmãzinha,
da Lúcia

Maria disse...

Lucinha amiga:
Conheço a dor há muitos anos. Quando posso supero-a, se não, suporto-a. Estou habituada a dores físicas e morais.
É só mais uma fase má, que passará, ou não.
Beijinho, maninha
Maria