sábado, 8 de dezembro de 2012

A minha tábua de engomar





Ia fazer seis anos. Queria um ferro e uma tábua de passar, iguais aos da mãe.O ferro, em tudo igual ao da mãe, menos no tamanho, estava guardado desde a feira de Santa Iria, sem eu saber. Faltava a tábua. Comprá-la era díficil. As poucas que havia, eram caras demais, para a magra bolsa do meu pai. Ele resolveu fazê-la. Com muito trabalho, alguma arte e muito amor, fez a pequena tábua. Era de noite, quando eu dormia, que ele metia mãos ao trabalho.Quando acordei no dia dos meus anos, aos pés da cama, estava a tábua de engomar, forrada a flanela às florinhas azuis e o ferro, com algumas brazas dentro.Passei lenços, panos da loiça, guardanapos...Da tábua resta apenas a doce recordação. O ferro está aqui acima. Guardei-o todos estes anos.
Até um dia destes
Maria 

24 comentários:

Histórias de Nós disse...

Que ternura!

MCP disse...

Amiga,
Eramos tão felizes com tão pouco!!

Abraço Grande neste dia tão especial.

MCP

Kim disse...

Amiguita
A tua tábua de engomar serviu para o alisar o passado e esticar o presente.
Também tenho alguns destes ferros de engomar, já eu sou uma máquina de antiguidades.
Se os homens não tivessem necessidade de mudança, hoje seria o dia da mãe. E tu, como grande mãe que és, nasceste nesse dia. Por isso, aqui deixo um grande beijinho de parabéns, à minha petite Marie.

Isabel disse...

Tão lindo!

Maria disse...

É não é, amiga? lembrança viva de um tempo que não voltará.
Beijinho.
Maria

Maria disse...

É verdade amiga. Bastava tão pouco para sermos felizes!
Obrigada e beijinhos.
Maria.

Maria disse...

Kim, meu amigo:
Tenho mais ferros destes, dados pelo Vasco. Mas este, lembra-me o meu pai e o seu carinho, uma infância feliz, com poucos brinquedos, mas muito amor.
Obrigada pelos parabéns e beijinho da
Petite Marie.

Maria disse...

Obrigada Isabel. Fico feliz, que tenha gostado.
Maria

Vasco disse...

Bem me lembro desse ferro, quase sempre debaixo da tua escrivaninha, por cima de uma caixas de madeira, ao lado de um cinzeiro que, salvo erro, era da mesma marca. Alba? Mas esse ferro também tem um descanso, que não aparece na fotografia!
Também tenho, um não mais novo, mas eléctrico, que também funcemina.

Ainda um dia gostava de ver esse a trabalhar!

Mais um beijinho deste filho que te adora,

Vasco.

Maria disse...

É esse mesmo. Faz hoje 62 anos. Tenho mais dois que tu me deste e estão ao pé deste, do fogareiro, do fogão pequenino que tu me deste e do tanque de guerra, que era do pai.
Obrigada pela companhia e mil beijinhos da
mãe.

Um Jeito Manso disse...

Olá Mary,

Ao ler o que escreveu, recordei-me do meu ferrinho e da minha tábua de engomar (não tão preciosa como a sua).

Gostei tanto de ler o que o seu filho escreveu, tão carinhoso, tão próximo. Que sorte a sua, Mary.

Um abraço.


PS: Pensamentos nostálgicos aquecem a alma, não é mesmo?

Maria disse...

Amiga:
Tive a sorte de ter um pai que me adorava. Quando sabia que eu queria uma coisa, (nunca fui ambiciosa), à falta de dinheiro, metia mãos à obra.
Foi o caso da tábua, de um rolo da massa, feito com um pedaço de pau de vassoura, de um carrinho para as bonecas, forrado a cretone vermelho, de um pequeno banco, para eu chegar à janela. Este banco, servia para tudo. Era coche real, cama de bonecas, banco onde me sentava aos pés da avó ou, da mãe, ouvindo contos, velhas canções, ou simplesmente encostada a sonhar com um futuro cor-de-rosa.
De tudo isso, resta-me o ferro, o rolo da massa, guardado algures, as histórias e canções e, as lembranças deles, das mãos que acariciavam os meus cabelos.
Tempos felizes, que não voltam, mas de que cada vez me lembro mais.
Abraço grande, Amiga.
Mary

Maria Eduardo disse...

Amiga,
Que linda esta sua recordação e com que ternura fala dela. Ao ler este post, associei que este dia tinha a haver com o seu aniversário. Agora tive a confirmação ao ler um dos comentários. Embora tardiamente, desejo-lhe toda a felicidade do mundo e que a NªSrª da Imaculada Conceição esteja sempre consigo.
Ontem postei uma homenagem a Nª Srª que torno extensiva também a si. Muitos Parabéns, Maria!
Também nasci em Dezembro, a 2, e neste dia escrevi uma memória no meu Blogue, do dia em que fiz seis anos. Coincidências!
Quando tiver oportunidade, dê um olhinho, pois penso que vai gostar de ler. Que belas recordações que guardamos na nossa memória!
Um grande beijinho, Maria
ME

Alva disse...

Porque o Amor também é feito de ternura e carinho...

Beijinhos
Da tua Pequenina

Maria disse...

Maria Eduardo,
Nasci no dia da Nossa Senhora da Conceição, de quem trago sempre uma medalha ao pescoço. Nesse tempo, era dia da mãe.
Parabéns atrasados, pelo seu aniversário.
Vou já ver o seu blogue.
Beijinho
Maria

Maria disse...

Querida Pequenina,
O Amor é ternura, sim.
Beijinhos minha linda
Maria

Tété disse...

Embora atrasados os meus Parabéns e que continue junto de nós com muita saúde e toda a alegria que merece.
Também tive ferro e tábua, mas perdi-lhes o rasto. No entanto, guardo com muito amor um pequenino que se aquecia no lume e que bem mais antigo pertenceu à minha mãe.
Também a minha mãe me forrou um carrinho de verga, daqueles que tinham capota, com tecido de florinhas e folhos à volta. Tinha colchão, tipo almofadinha cheia de algodão e adereço de cama completo-lençol de baixo, almofada, lençol de cima e mantinha bordada. Eu ligava mais ao Natal que ao dia dos anos. Acredite que ainda me lembro de não dormir de 24 para 25 - os presentes só os via dia 25 de manhã - à espera que houvesse luz do dia para poder chegar à chaminé.
O nervoso era tanto que recordo como tremia quando me levavam à cozinha. Não era preciso ter coisas caras, era preciso ter aquelas que gostava dadas com tanto amor pelos meus pais. Foi uma infância feliz e é por isso que ainda hoje me emociono quando a relembro.
Grande beijinho com muita amizade.

Um Jeito Manso disse...

Mary,

Volto aqui porque só agora me ocorreu que, ao escrever isto, estaria a lembrar-se de um outro aniversário. E agora, lendo melhor e lendo os comentários, vejo que assim era. Fez mesmo anos ontem.

E, portanto, atrasadamente, aqui estou para lhe dar parabéns atrasados e, sobretudo, para lhe desejar uma vida longa e feliz. Que conte muitos, Mary. E que a vida lhe sorria.

Um abraço!

PS: E o mail com as novidades...?

Maria disse...

Querida Tété,
Obrigada pelos seus desejos. Fiquei muito feliz por se lembrar de mm. Tenho andado um pouco fugida dos blogues amigos. Trabalho, problemas, um pouco de preguiça.
Mais uma vez muito obrigada e beijinhos da
Maria

Maria disse...

Amiga:
Como já disse à Tété, trabalho, mais problemas graves, pouca disposição, têm-me mantido afastada dos blogues.
Obrigada pelos parabéns.
Abraço grande da
Mary

Anónimo disse...

Mary,
Parabéns atrasados. Para a minha mãe o dia 8 continua a ser dia da mãe e recebe sempre uma flôr da minha parte. Eu também fiz anos na 2ª feira, somos ambas de Dezembro.
Beijinho Ana

Maria disse...

Obrigada Ana e muitos parabéns para si também.
Abraço
Mary

elvira carvalho disse...

De novo abriu e baú das memórias e partilhou connosco uma história de amor protagonizada pelo seu pai. Obrigada por essa partilha.
Tenho sentido a sua falta. Queira Deus que seja apenas por vontade sua e não por doença.
Espero que esteja bem. Eu tive uma crise de ciática que me leva a apanhar duas injecções diáris.
Mas Graças a Deus já vou melhor.
Um abraço

Maria disse...

Minha querida Elvira:
Obrigada pelo seu comentário.
Li o seu blogue, mas não comentei. Tenho andado muito em baixo. A tensão anda aos saltos, dói-me a cabeça e não consigo fazer nada de jeito.
Daqui a pouco, vou tentar fazer-lhe uma visita.
Desculpe.
Beijinhos
Maria