sábado, 20 de fevereiro de 2010

Doutor Fernando Nobre, porquê?

Nunca aqui falei em política. É um tema controverso, que não se enquadra no espírito do meu Blog e de que não gosto. Política, futebol e religião, cada um tem a sua e o meu respeito por todas as ideias, leva-me a não falar disso. Além de tudo, não entendo nada de política e sinceramente, enoja-me cada vez mais. Por isso vou ser breve.
De há muitos anos, tenho um respeito muito grande pelo Doutor. A sua vida e obra, que tenho seguido, transformou-o num ser de outro Planeta para mim.
Ontem fiquei estupefacta. O meu Doutor ia anunciar a candidatura à Presidência da República.
Da Wikipédia copiei esta Biografia dele.
“A Vida
Nasceu em Angola, em 1951. Aos 12 foi viver para o Congo. No total foram 16 anos em África. Estudou na Bélgica, onde acabou por passar cerca de 20 anos na capital Bruxelas
Desde que se recorda sempre quis ser médico. Fez primeiro toda a especialidade em cirurgia geral e urologia. Dezasseis anos de formação especifica, para optar pela medicina humanitária e desistir da ideia de ser professor na Faculdade de Medicina.
A 19 de Fevereiro de 2010 , no Padrão dos Descobrimentos em Lisboa, apresentou a sua candidatura à Presidência da República Portuguesa.
Participou nos Médicos Sem Fronteiras entre 1977 e 1983. É actualmente o Presidente Assistência Médica Internacional. Já participou em mais de 100 missões de ajuda humanitária
Fernando Nobre está sempre pronto a partir em missões de emergência médica, ou para 'visitar os projectos permanentes da AMI. É sempre em Portugal o primeiro a mandar ajuda em caso de catástrofe natural.
Fernando Nobre chegou ao 25º lugar da lista de "Os Grandes Portugueses", programa da RTP1.

Wikipédia

Doutor:
Que aconteceu, para depois de ter dedicado toda uma vida, a ajudar os mais necessitados, depois de ter patinhado entre os escombros de terras destruídas, de ter patinhado no “sangue, suor e lágrimas” desses povos, que tanto precisam de si, ir agora meter-se no pântano nojento e mal cheiroso da política?
Depois de um poeta, um Humanista? Que desilusão, Doutor.
Desista. Pois não vê, que vai perder todo o prestígio de uma vida inteira?
Já meti demais a foice em seara alheia. É claro, que o Doutor tem todo o direito de querer ser candidato. Mas também é claro, que eu tenho o direito de não concordar e me sentir desiludida.
Com todo o respeito e admiração que ainda me merece.
Maria
Nós, até um dia destes.

31 comentários:

Pascoalita disse...

Olá, Maria :)*

Penso exactamente o mesmo e invade-me o mesmo sentimento de desilusão.

Quando ontem o Miguel Sousa Tavares o entrevistava e lhe lembrou os milhares de euros que custa uma campanha, não pude deixar de me lembrar das vezes que o ouvi criticar os ricos e poderosos, apelar e denunciar as necessidades mais básicas dos povos que ao longo da vida foi ajudando.

Juro que também não comprendo!

A meu ver, a política é uma doença altamente contagiosa e tão poderosa que acaba por corroer/corromper todos os seres que a contraem.

Bom fim de semana

Um beijo

Kim disse...

Sabes Maria, tenho um post começado, sobre Fernando Nobre, há cerca de dois anos. Nem sei bem porque nunca o postei. Mas é uma pessoa que muito admiro e acho que o seu trabalho é aquele que tem feito até aqui. Não sei o que lhe deu na cabeça para ter enveredado por este caminho da política.
Vai-lhe acontecer o mesmo que aconteceu a Mário Soares nas últimas eleições. Perde as eleições e o prestígio.
Era bem melhor que saisse pela porta grande.
Um beijinho Petite!

Osvaldo disse...

Maria;

Penso exatamente o contrário, embora com todo o respeito pela opiniões divergentes ou convergentes.
O dr. Fernando Nobre, depois de assistir às maiores catástrofes causadas pelo homem ou pela natureza, foi sempre o primeiro a tocar o "clarin" da ajuda humanitária. Sempre presente, em condições quase sempre dramáticas, nunca virou a cara aos povos em desespero.
Foi com esse sentimento de humanismo, que ao ver o estado catastrófico em que o seu e nosso país se encontra, que sentiu que não poderia deixar de ir em ajuda a um povo que sofre e que é o seu povo. Hoje a maioria do povo português, sofre o desgaste dos constantes tremores de terra que abalam a nossa democracia, falta de verdadeiros políticos que honrem o voto que o povo lhes deu.
Certamente terá sido esta situação que levou o dr. Fernando Nobre a dizer um basta e dar um safanão numa situação que não poderá continuar correndo o risco de um colapso total.

Contráriamente à opinião do nosso amigo Kim, o dr. Fernando Nobre, faça o que faça, nunca sairá pela porta pequena porque para homens dessa têmpera, simplesmente as portas não existem, nem grandes nem pequenas, há simplesmente passagens por onde só passam os Grandes e Grandes como ele, são raridade nesta Selva do Mata-Mata.

E também, embora nascido em Angola, tem o carácter de antes quebrar que dobrar, fruto das suas origens durienses... e também ele já bebeu do mosto que o xisto deu.

beijinhos, Maria, um abraço para o João, Vasco e mano e parabéns por este post.

da Anita e Osvaldo

Maria disse...

Pascoalita
Quando escrevi isto, pensei que pela primeira vez, iria ser crucificada pela minha opinião.
Vejo que tu, estás a sentir o mesmo que eu. Não consigo ver, o homem que me habituei a respeitar, metido numa campanha eleitoral porca, como é costume. Também pensei no dinheiro que fatalmente irá gastar. Não entendo, juro que não entendo.
Beijinho
Maria

Maria disse...

Pois é isso mesmo, amigo. O doutor Fernando Nobre que admirei, era aquele que vivia de malas feitas, para embarcar com os primeiros, para onde quer que a terra tremesse, o céu despejasse litros de água que destruiam tudo, ceifavam vidas e bens. Era assim que eu o via até ao fim. Nunca esperei que "A glória de mandar, a vã cobiça", o transformassem num boneco ao mando não sei de quem. E ninguém me convence que ele é tão ingénuo, que não sabe que se estão a servir do prestígio dele, para ganhar meia dúzia de votos. É isso que não consigo entender.
Beijinho
Maria

Maria disse...

Meu querido Osvaldo
Sabia que iria haver muita gente a discordar de mim, quando me atrevi a escrever sobre o doutor Fernando Nobre e a fazer esta incursão pela política.
Tu não estás de acordo, e como sempre, respeito a tua e todas as opiniões.
Sabes, meu amigo? A minha sogra costumava dizer uma frase, que nunca me esqueceu: "Quando nos batem à porta, não perguntamos quem foste, mas sim, quem é". Quer isto dizer, que quando o Doutor for candidato, ninguém se vai lembrar do homem que tudo sacrificou, que esteve sempre na linha da frente em todas as desgraças mundiais. Vão rebuscar os lados escuros, inventar, sujá-lo. É isso que se faz no Portugal de hoje. É isso que eu lamento.
Quanto a durienses, um houve que sempre fugiu da política, como o diabo da cruz. Aliciaram-no de todas as formas, e ele disse sempre um NÃO rotundo. Refiro-me, mais uma vez, a Miguel Torga.
Gostei que tivesses respondido com franqueza. É isso que cimenta a amizade: a sinceridade.
Abraços do João e do Vasco e beijinhos para ti e Anita da
Maria

Kim disse...

Amigo Osvaldo!
Claro que percebo perfeitamente a tua visão dos factos e eu também gostaria que assim fosse. O problema é que não vai ganhar e é a isso que eu chamo sair pela porta pequena. Quando há dois anos vi uma reportegm com ele fiquei completamente apaixonado pela personagem, no entanto acho que nunca chegaré a presidente.
E vou dar-te um exemplo: se o André moa fosse conhecido pelos dez milhões de portugueses e fosse um dos candidadtos, também teria muitas hipóteses de ganhar. Mas quantos dos votatntes conhecem Fernando Nobre?
ÀS vezes - experimentar não custa, mas não é este o caso. Custa e não é pouco.
E penso que o sentimento da Maria em relação a ele é mais ou menos esta também.
Grande abraço amigo e beijinho à Madre Ana de tabuaço.

Osvaldo disse...

Maria;

Acredita que compreendo o teu ponto de vista que é correto. Mas caramba, será que o Fernando Nobre, como se tivesse sido o Miguel Torga ou o Abel Botelho, não teriam legitimidade para pegar no leme d'um país desgovernado, que vai, como nau sem rumo, aos trancos e barrancos nos oceanos de turbulência e que só estão à espera que vá contra os recifes?... Desde quando temos em Portugal Homens integros à frente dos destinos do país?... Desde quando o nosso povo espreita entre abertas de nevoeiros densos até que o esperado Sebastião (não o Don) apareça para meter ordem no Convento (ou na Praça Pública)?... Até quando teremos que votar (ou não votar) sem esperança porque é tudo mais do mesmo?...
Será que não devemos dar oportunidade a quem em principio depositamos real confiança pelo seu passado e presente de Homem de Honra?...
Será que o dr. Fernando Nobre é tão ingénu-o que se deixasse levar por cantigas de políticos obscuros e abstratos que esses sim passam a vida a desbocar do Zé Povinho?...

Maria, eu não discordo da tua oipinião que é clara e legítima. Eu já estou é cansado de não ver o fundo do túnel em que um dia o nosso país e nosso povo terá que sair para respirar. E certamente que não será com os nossos actuais políticos que isso acontecerá.
olha, querida amiga Maria de quem eu e a Anita gostamos muito,... já estou cansado das brincadeiras de colegas meus quando vou noutros quadrantes, sobre a mentira política com que o nosso país é governado. E não é de agora,... já vem de longe.

beijinhos com muita amizade e respeito, Maria.

Osvaldo

Osvaldo disse...

Obrigado Kim.

Eu como defensor de Grandes Homens como Aristides de Sousa Mendes a quem comparo Fernando Nobre, só posso estar ao lado deles.

Um abraço caro amigo Kim e acredita que a nossa amizade ultrapassa todas as querelas políticas até porque no fundo ambos, assim como a Maria e o Moa, só queremos o bem estar do nosso povo.

bjs para L&L.
Osvaldo

Dad disse...

Eu fiquei encantada com a candidatura dele e acho que desde sempre soube que não vai ganhar mas vai ter oportunidade de fazer uma campanha eleitoral e dizer muitas coisas que é bom que os cidadãos portugueses possam ouvir e, se calhar ainda tem esperança que os seus discursos possam ter algum efeito benéfico sobre a vergonha que é a política nacional.
Sempre achei que ele para além de óptimo ser humano é um poeta e acredito que ele vai conseguir influenciar, deixando passar boas mensagens a todos nós e, especialmente aos candidatos ao poder. Mesmo que seja utopia, vou continuar a sonhar cpom um Portugal mais irmão e mais honesto.
Não acho que esta candidatura seja porque também ele se está a deixar corromper mas sim para ter palco para apontar mais altos designios para Portugal do que aqueles que temos presentemente.
Vamos ver. Concerteza vai fazer a campanha e espero que a própria campanha seja diferente dos outros.
Beijinhos grandes,

Maria disse...

Caro Osvaldo
Precisamente por respeitar o Doutor, fiquei chocada pela entrada dele num mundo tão diferente, daquele a que ele está habituado. Ele tem sido o rosto do homem honesto, limpo, que entregou a vida a uma obra, uma grande obra.
Esta em que se meteu agora, é uma causa perdida, quer ele ganhe, quer perca. Todo e qualquer homem honesto e bem intencionado, que se meta na política, sai sujo.
Como não posso deixar de ver as coisas sem me lembrar de algum escritor, cito-te agora, Camilo Castelo Branco e o seu livro "A Queda de um Anjo". Já leste? se não leste lê. Talvez então, compreendas melhor o meu ponto de vista.
A tua opinião é-me sempre agradavel, mesmo quando estamos em desacordo.
Beijinho
Maria

Maria disse...

Dad amiga
A tua opinião, que respeito, como respeito todas.
Se eu ainda tivesse ilusões quanto aos políticos e à política do nosso país, estaria como tu doida de alegria. Se há homem que admiro profundamente, é Fernando Nobre. É precisamente por isso, que não gostaria de ver a sua Obra e a sua imagem, sujas pela nojenta política do nosso país.
Gostei do teu comentário. Haja alguém com ilusões, que há esperança para nós. Eu, infelizmente, já não as tenho.
Beijinhos e obrigada
Maria

Je Vois la Vie en Vert disse...

Olá Maria,

Tenho uma grande admiração pelo Dr Nobre e pelo que tem feito durante toda a sua vida (aprendi contigo que esteve na minha terra natal e na Bélgica) mas francamente não consigo entender como vai seguir pelo caminho da política.
O futuro nos dirá se teve razão ou não mas continuarei sempre a achar que ele estava muito melhor a lutar por causas humanitárias.

Beijinhos

Verdinha

Je Vois la Vie en Vert disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

Estamos de acordo, como quase sempre.
Ele devia estar agora na Madeira, onde bem preciso era, alguém com o seu poder de decisão e de caractere.
Escolheu a política, talvez cheio de boas intenções. Mas nada resolverá.
Lamento por ele e por quem dele tanto precisa.
Abraço
Maria

Laura disse...

Ehhh e eu fiquei feliz e pensei; ah, é desta que o nosso País escondido e meio podre, vai reverdecer e levar um rumo seguro, pela mão deste Humanista...
Olha, quem não arrisca não petisca e quem sabe, teremos sorte de ter este Homem ao Leme de um barco prestes a afundar!
Que bom que seria se ele soubesse guiar os intrépidos que esperam pelo despontar de uma nova madrugada!...
Beijinho a todos, em paz, alegria, amor..laura

Maria disse...

Laurinha querida
Não te quero tirar as ilusões, mas para ser político, não chega ser bom, honesto e ter coragem. Isso o doutor tem de sobra. Mas não saberá nunca, lidar com gente muito diferente. Um homem que diz não ter ideias políticas, nunca poderá ser um político.
Continuo a dizer, que não o vejo, metido no lodaçal que a política é. E isto não é critica. É simpatia que sinto por ele, e que me faz temer, por o que ele vai passar, se for eleito, o que não creio.
Beijinhos, minha flor. Continua a sonhar.
Beijinho
Maria

Marcelo Lyra disse...

De fato, a opinião, a crítica, até o julgamento, é um direito que lhe compete. Inclusive pelos inúmeros exemplos degradantes que esse mundo chamado da "política" nos fornece, dia após dia.

Enquanto brasileiro, sei disso muito bem, visto os exemplos que aqui encontramos. Desconheço a personagem de que trata, afora as informações que fornece, mas possuir um homem que se admira num meio que se enxerga negativamente, não lhe dá nem um fim de esperança. No mundo dos homens, os bons exemplos podem ser muitos transformadores e, afinal, a reputação, o prestígio, nos acompanham para o túmulo, estou errado?

Gosto muito do que escreve,

Espero voltar sempre.

Maria disse...

Marcelo, meu novo amigo
Obrigada pela sua opinião desassombrada. Do Doutor Fernando Nobre, pouco mais lhe poderei dizer. É um homem bom, que à frente dos médicos sem fronteiras tem feito um excelente papel. Mas não é, nunca foi, político. Ele próprio o diz. Talvez por isso, vá meter-se no mar de lama, que a política é, aqui ou em qualquer lugar.
Volte sempre. Aqui todos são benvindos.
Obrigada mais uma vez
Maria

Laura disse...

Eu sei, todos podem ter razão, eu nem sou de Politicas sou só do amor e mais nada e amor e Politica nunca hão-de combinar, um destrói o outro constrói ma snão se vive só de amor, enfim...Que seja o que tiver de ser..Beijinhos mil, laura

F.G.S. disse...

Que bom sabê-la de volta Maria! Bem haja!

Maria disse...

A política também não é a minha praça. Mete-me nojo. Não consigo é ver pessoas que respeito, metidas nesse atoleiro.
Beijinhos, minha Flor de Linho.
Maria

Maria disse...

F.G.S.
Olá. Estou de volta, mas devagarinho.
Obrigada pela visita.
Volte sempre
Maria

Paixão Lima disse...

Pretender ser candidato a Presidente de todos os portugueses da República Portuguesa é um direito de todo o cidadão nacional. É um acto cívico e individual, nunca político. A acção presidencial tem de ser apolítica e equidistante. Representa o todo, nunca a parte. Não representa esta ou aquela facção. A Constituição da República assim o obriga e determina. Entre outras funções o Presidente da República é o garante do regular funcionamento das instituições democráticas. Não pode por isso governar. Só representar. Segundo o dicionário da Porto Editora da língua portuguesa ( 7ª edição ) a política é, passo a citar: a ciência ou arte de governar; orientação administrativa de um governo; princípios directores da acção de um governo, e outras definições que não refiro para não cansar mas que vão no mesmo sentido. Catalogar de «política» tudo aquilo que mexe só porque mexe, não me parece razoável. Que a política está na lama, inteiramente de acordo. Pretender colocar na dita o Dr. Fernando Nobre não estou de acordo e é injusto. É um grande homem que honra Portugal e os portugueses. A
história do Homem fala por si e é conhecida. Sem ter o privilégio de o conhecer pessoalmente, conheci os seus Avós que viveram em Távora- Tabuaço.
Gente simples, de bom trato, respeitada e admirada por todos.
Desculpem o desabafo.

Laura disse...

Ó Paixão, e quem te diz que o Dr Fernando Nobre, nãoa dvogará uma causa mais Nobre ainda e nos levará a entrar numa Era melhor numa Era onde impere o respeito e a honradez?
Olha, quem nãoa rrisca não petisca, além de que um Homem com tão grandes atributos, saberá muito mais que ser Médico, Político e levará a Nau prestes a naufragar, a Bom Porto!
Olaré, penso assim; logo, mas entre tudo digo; Que seja o melhor para o País e para ele também, merece-o!
Abraço apertadinho.
Maria, este Paixão é o Paixão do Moa,(arre que isto se lido e levado à letra soa a outra coisa ehhh, mas vai ficar para se rirem, só pode) logo, pode-se falar com ele na maior...ji e xi da laura

Maria disse...

Meu caro Paixão de Lima
Não tem de pedir desculpa, por demonstrar, e bem, o seu ponto de vista.
Eu nunca disse, que o Doutor Nobre se iria sujar neste lodaçal que é a política. Afirmei que o iam sujar. Isto, porque tenho por ele a máxima consideração e respeito, porque me habituei a ver nele, o homem impoluto, humano, capaz dos maiores sacríficios, e actos de coragem.
O meu medo, é vê-lo meter-se numa coisa, para que não o acho vocacionado, e que lhe vai trazer amargos de boca.
Repare, que é precisamente isso que eu não quero. Ver uma pessoa de quem gosto e admiro, arriscar-se a ser mal interpretado pelos outros. E é isso que vai acontecer. No nosso país fazem-se e desfazem-se reputações com a maior facilidade. Só isso.
Gostei da sua visita. Volte sempre, mesmo que seja para discordar. Aqui as críticas são aceites e ponderadas.
Um abraço
Maria

Paixão Lima disse...

Não podemos fazer futurologia minha querida Amiga. Ninguém pode. A utilização em demasia do condicional, pode ser redutora. Por ser condicional, pode condicionar até a nossa forma de estar e sentir. São as circunstâncias. Não sou pessimista nem optimista. Esforço-me por ser realista. Por vezes não consigo mas, pelo menos tento.
O que vão fazer ao nosso prezado Doutor, em boa verdade, ninguém sabe. Por ser um humanista militante e um bom médico por vocação e não pelo estatuto da profissão, não pode obstar a que vôe mais alto, se ele assim o entender.
A nossa classe política, nem é melhor nem pior que a classe política de outros países. Nós somos pessimistas por habituação. Somos o povo do fado, e o fado é sempre triste. Vemos o mundo a duas côres. A preto e branco. Mais a preto. São as circunstâncias de sermos um país periférico à beira-mar pasmado? Somos um País pequenino como dizem, quando afinal somos um país médio da Europa?
Agradeço a disponibilidade concedida do espaço, do seu espaço que nunca pretendi violar mas... sabe como é, tenho o coração perto da boca. É um defeito ou uma virtude? Em todo o caso, o seu espaço permitiu-me dialogar com a minha Amiga o que é, e será sempre um enorme prazer para mim em todas as circunstâncias. E sabe porquê? Porque a minha Amiga é inteligente, muito inteligente até. Não estou a lisongear, estou a ser justo. Além do mais sabe utilizar com sabedoria e equilíbrio de ironia subtil e criativa. O Paixão «de» Lima, surpreendeu-me.
Beijo-lhe as mãos com admiração, não isenta de termura.
Não voltarei a invadir o seu espaço o que seria abusar da sua generosidade.

A ilha eu e a poesia disse...

Passei para deixar um abraço, espero que esteja tudo melhor por aí.

Maria disse...

Caro Paixão Lima
Disponha do meu espaço, quando e como entender. Além de o considerar um amigo, admiro-o. Sempre fiz questão de ter os comentários abertos a todos, precisamente porque dou às pessoas a certeza de que serão publicadas e devidamente apreciadas. E gosto de ser criticada, quando a crítica é coerente e bem educada como a sua.
Por isso, fico à sua espera sempre que queira.
Ser amigo, não é concordar e lisonjear para fazer jeito. É dos amigos verdadeiros que recebo as críticas mais justas e sinceras. E é assim que gosto.
Um abraço amigo da
Maria

Maria disse...

Olá amiga
Grande ausência!
Está tudo bem por aí?
Beijinho
Maria

Clavis disse...

Está convidado para o jantar de 1 de maio com o Dr. Fernando Nobre!

O objectivo é o de reunir um grupo de cerca de 500 amigos, por isso para que tudo corra da melhor maneira possível, e por forma a que este encontro se torne num momento inesquecível para todos os seus intervenientes, é fundamental toda a nossa colaboração, pelo que o Dr. Fernando agradece a sua presença e a de todos os seus amigos e familiares a quem queira divulgar este convite.

Local: Mercado da Ribeira (Av. 24 de Julho, próximo do Cais do Sodré), para quem reside fora de Lisboa e não conhece muito bem o local, são estas as coordenadas de GPS: N 38º 42' 24,89'' , W 9º 8' 44,56''
Hora: 19h 30
Custo: 15 euros (preço do jantar, não é uma recolha de fundos)

Vamos Acreditar!
Divulgue aos seus amigos esta mensagem!

Contacto para marcações: paula.sarmento@lisboacomfernandonobre.org