sexta-feira, 16 de julho de 2010

A Sé, Igreja de Santo António e Santo António


A Sé de Lisboa começou a ser construída no tempo de D. Afonso Henriques sobre os escombros, devidamente benzidos de uma mesquita muçulmana. É de estilo romano-gótico. No século XIII foi acrescentada pelos anexos de estilo gótico do lado norte. A primitiva capela-mor de estilo românica foi substituída pela actual de estilo ogival, no século XIV, juntamente com as capelas absidais e os deambulatórios. O terramoto fez ruir a torre sineira sobre a torre direita, deixando a Sé bastante arruinada. Foi já no princípio do século XX, que sofreu obras que a restituiram à sua traça primitiva.
Tem belos vitrais e sendo grande, convida ao recolhimento. Estando situada num local muito populoso e barulhento, lá dentro, há um silêncio, uma calma que convidam a ficar. Visitem-na que vale a pena.
A Igreja de Santo António, construída no local onde tudo indica seria a casa da família Bulhões e onde o Santo nasceu, fica vizinha da Sé. Reconstruída sob o risco de Mateus Vicente cerca de 1700, substituiu a primitiva,Manuelina, também destruída pelo terramoto.
Com fachada principal virada a poente, tem uma escadaria em leque, que leva à porta principal. Tem dos lados colunas jónicas, sendo as portas e janelas ladeadas por iguais colunas.
O interior neoclássico, paredes revestidas de mármore, alguns belos quadros de Pedro Alexandrino e algumas estátuas. A do Santo é da antiga Igreja, tendo sido poupada pelo terramoto. Desce-se um pouco e encontra-se o pequeno quartinho, onde nasceu o Santo. É o meu local preferido da Igreja. Foi aí que meu irmão me deu um santinho, que tem por trás o célebre responso. É ele que ilustra o meu escrito de hoje.
Agora um pouco da história do Santo que muitos julgam padroeiro de Lisboa. Não é. O Santo orago de Lisboa é São Vicente. Santo António é o padroeiro do povo de Lisboa, dos namorados, de várias terras.
Nasceu em Lisboa de família remediada, foi baptizado na Sé com o nome de Fernando de Bulhões, pertenceu ao coro da Sé, fez aí os primeiros estudos, completados em Coimbra. Foi frade de Santo Agostinho. Partiu de Portugal, passou em África, rumou a França e Itália. Aí, conheceu Bolonha, Assis, Pádua e São Francisco de Assis, seu mentor. Já na ordem Franciscana viveu alguns anos em Pádua e lá morreu novo. É conhecido por Santo António de Pádua, mas é Santo António de Lisboa. É certo que o que resta dele, está lá. Já lá fui, vi as cordas vocais dele numa redoma. Tem uma Igreja linda. Mas para mim ele está mais naquele quartinho acanhado da Igreja de Lisboa. Vou lá às vezes. Quando perco alguma coisa, rezo o responso e logo aparece. Ah! Foi no dia dele, a 13 de Junho que conheci o meu marido. E digam lá que ele não é milagreiro? Anda este desgraçadinho a aturar-me há 44 anos. Só por milagre.
Até um dia destes.

25 comentários:

Laura disse...

Ahhh Maria, milagreiro, olhá sorteeeeeee, o que me ri. Gosto muito dele mas só me lembro quando perco algo como foi o caso do brinco que fez o manel abrir o chão da casa de banho, tirar aquela peça de metal para ver se caiu ali, ufa... e quando vou por a toalha no cesto da máquina é que o vejo no chão da cozinha...mas quanto agradeci pois os brincos foram feitos dos brincos da avó Laurinha, como partiram e entortaram os dela e ela tinha mostrado vontade que fossem para a laurinha, assim foi..e estão nas minhas orelhas, gracias Santo António... (tenho um livro que fala da vida dele)

Quanto às Igrejas e monumentos de Lisboa nem todos conheço, mas já prometo que um dia hei-de ir ou vamos em grupo....ver tudo isso...
Mas que bem explicadinho..Beijinho da laura

Laura disse...

Como já foste ao resteas deixei em resposta o poema a seguir..e com beijinhos pois há muito que não escrevo em verso, como até faziamos no blogue do Moa, mas ele mudou o estilo e a gente deixou de ter inspiração em verso.

Como me deste o nome de flor de linho que muito gosto...

Maria...


Flor de linho, um nome
que tu me deste um dia
quando escrevia poesia
no blogue da Maria.

Amei receber o teu carinho
e um nome tão bonito
que ainda desconhecia
e nem da flor, sabia.

Até que me ofereceste
um quadro com elas ali
no meio da natureza
a desafiar de Deus a grandeza.

Tenho-as no meu quarto
em frente ao meu leito
olho-as quando me levanto
olho-as quando me deito.

É belo o seu azul lilás
as cores que mais me seduzem
adoro tê-las ali
a enfeitar meu recanto.

Onde por vezes há pranto
e a alegria se esvai
mas eu acendo uma vela
e vai-se embora o quebranto!

Maria minha querida Maria, a poesia vai fluindo e os sentimentos da alma vão brotando...e a Força vem de mim da guerreira que sempre lutou pelos eu lugar no mundo!..
Aquele apertadinho abraço da laura

Laura disse...

Vinha ver se o Santantoninho já tinha encontrado para mim, aquele amor perdido, aquele amor buscado e rebuscado...mas pelos vistos nem o santinho atina com o caminho para ele...

Um beijinho e um abraço de bom dia.
Ainda estou assim a modos que tonta mas a coisa aguenta-se...
Um beijinho da laura

Maria disse...

Laurinha
Se clicares nas fotos, encontras o Responso todo. Tens que decorá-lo porque só assim tem valor.
Eu sei-o desde essa altura. O santinho ouve-me quase sempre. Somos amigos de longa data. Em Itália chamam-lhe "Il Santo". Aqui, mais ternamente é Santo Antoninho, o Santo mais querido dos portugueses.
A sua história é linda. Entre lendas e verdades, descobre-se um homem bom, compassivo, Doutor da Igreja, portanto com uma grande cultura. Podendo ter uma boa vida, tudo trocou por um hábito de frade, para se aproximar de todos.
Era um grande orador. Falava para todos até para os peixinhos.
Beijinhos
Maria

Estrela d'Alva disse...

Maria,

Em Pádua já estive... na Igreja de Santo António que em Itália dizem ser seu. Os santos não são de ninguém, na minha opinião...

Em Lisboa ainda tenho muito que visitar. Esse quartinho do santo que falas talvez o visite um dia contigo... quem sabe?

Beijinhos da tua pequenina

Maria disse...

Minha Pequenina
Fica prometido. Será a Maria que te levará ao quartinho do Santo.
Em Pádua, aquela enorme Igreja, linda. Cá uma Igreja mais pequena, mas muito bonita e um humilde buraco, onde ele nasceu. Mas tu tens razão. Os Santos não são de ninguém, são de todos.
Beijinhos da
Maria

Corvo disse...

Conheço bem a Igreja de Santo António. Contudo, essa tua descrição, dá-me sensação de lá estar contigo a dizeres para reparar em determinados pormenores.

Gostei mesmo muito do "post"!
Beijinhos.

Laura disse...

Sei isso Maria, sei que era magrissimo, jejuava imenso, e padeceu imenso. Aprendi a gostar dele quando li algo no livro da 4ª classe, acho eu, a pregar aos peixinhos e a sua forma de bicorporeidade ao estar no mesmo lugar em dois tempos para salvar o pai de um mau julgamento..lindo, e essa de pregar aos peixinhos, Ele sabia que o Povo o ouvia e por siso fazia de conta..bela forma de ser ouvido..e os peixinhos aproveitavam o sermão, claro que sim...
Beijinhos mil da laura

Laura disse...

Ah, um xi ao querido corvo, a ver quando temos almoço de novo para falarmos, ou visita guiada por Lisboa...laura

Maria disse...

Meu Corvo
Se a viste com o nosso "Mestre", viste-a como eu. Só os sentimentos são meus. O resto explico-me ele, com a sabedoria e a ternura que sempre teve, pela sua coc-bichinhos. Sempre soube o que me mostrar em todo o lado onde fomos juntos.
Mas já lá fomos os dois, lembras-te?
Beijinhos
Mãe

Maria disse...

Laura
O Santinho de toda a gente era um homem culto. Como já te disse, é um dos Doutores da Igreja. Esteve em Bolonha, cidade onde havia muita cultura. Sabia falar com homens e com bichos. Para ele todos eram irmãos, como para São Francisco de Assis. Era irmã terra, irmão sol, irmão gato, irmão cão. É outro Santo das minhas simpatias.
Beijinho
Maria

Kim disse...

A minha mãe também tinha e usava essa crença. Normalmente até funcionava.
Claro que é Santo António de Lisboa e não de Pádua.
Era acima de tudo um homem muito culto e é o meu santo preferido. Tenho várias imagens dele cá em casa.
Quanto à Sé também sinto quão espiritual é o silêncio que nela se ouve.
Beijinho Petite Marie
laro que não é milagre o João te aturar.

Maria disse...

Kim
Acho que não há português crente ou ateu, que não tenha simpatia pelo nosso Santinho.
Outro dia em Tomar, o meu descrente marido desafiou-me a pedir ao Santo para encontrar um lugar para o carro, num parque cheio. Encontrei. Se visses a cara que ele fez!
Tenho algumas imagens dele e gravuras antigas que o Vasco me deu.
Quanto à Sé, até que enfim alguém me entende.
Beijo
Maria

Osvaldo disse...

Maria;

Desculpa lá ainda não ter passado por cá mas só agora vi o novo post.
Tu já estavas na Sé e eu ainda andava pela Estrela...

Estou a adorar este teu roteiro turistico pela nossa Lisboa que espero um dia conhecer melhor.

Quer dizer que "pegaste" o João na Sé e foi para a vida?...

Desculpa, mas mesmo sem te pedir, copiei a Oração do Santo António para dar à Anitas, Santo em quem ela tem muita devoção.

bjs. para ti e abraços para os Homens,
da Anita e Osvaldo

Maria disse...

Osvaldo
Não foi na Sé, foi em Cascais no dia de Santo António, 13 de Junho.
Fizeste bem em dar a oração à Anita.
Agora ela tem que a decorar bem, pois só dita sem ler, tem valor.
Comigo resulta quase sempre.
Vou tentar arranjar um bom livro sobre o Santo, para ela.
Abraços dos homens e beijinhos para os dois
Maria

Andre Moa disse...

O Fernando, o António,
o santo não me diz nada,
tal como deus e o demónio.
Mas gosto da sardinhada
que em nome do tal santinho
se come e rega com vinho.

Boa descrição dos dois monumentos e da cripta a que chamas o quartinho do menino António.
Beijinhos.
André Moa

Maria disse...

André
Religiões à parte, o Santo António é o português mais conhecido no mundo
Alguns até lhe chamam deles. Era um homem bom e culto. Nós, que temos já tão pouco para nos orgulharmos, visto os nossos heróis cada vez serem menos reconhecidos como tal, temos este que reune o consenso de todos.
E viva o Santo António!
Beijinhos
Maria

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariamiga

Reivindico firme e justificadamente: Quem caracterizou o Santo João, o Artista, fui eu. Eu e mais ninguém. Aliás, gabo-me de ter lançado também primeiramente a palavra de ordem - Santo só há um - o João e mais nenhum! O seu a seu dono.

Não posso, pois, pactuar com usurpanços e plágiocontaminadores. O Santo Artista, pelo que vejo agora, terá sido um verdadeiro vítimo de artimanha do alegado e suposto santo.

Daí que os versos que se seguem sejam no mínimo ferpeitamente justificáveis, nomeadamente no tempo da Velha Senhora:

Dos dois Antónios
de que Lisboa desfruta
Um é filho da Sé
o outro... também é.

E disse.

Abs ao verdadeiro Santo & Artista e aos restantes maxos e bjs para tu

PS (cada vez pior...) Só agora aqui venho cumentar, com o, pois, alem de ter abancados cá em casa quatro dos cinco vândalos (que comem que nem frieira, tadinhos) também continuo às voltas com o desgraçado LAVAR&DURAR. A propósito, já saiu mais um...

JE VOIS LA VIE EN VERT disse...

Querida Maria,

Minha mãe também pede sempre ajuda ao Santo António para encontrar alguma coisa perdida e não utiliza o tal Responso. Já agora, qual é a origem desta palavra ? Eu em francês chamar-lhe-ia uma oração.
E a minha irmã pede sempre ajuda ao Anjo do Parking para encontrar lugar e...encontra quase sempre em frente aos sítios onde quer ir...
Eu, em geral, não rezo para pedir nada para mim mas confesso que já tentei uma vez ou outra pedir ao Anjo para me mostrar um lugar para parquear quando eu estava com pressa e não é que também resultou !

Beijinhos

Verdinha

Laura disse...

Olaré...Verde, verde, Verdinha...

Pois eu uso isso do parque e mais alguma coisa..Eles já dizem na Biblia que ... Pedi e recebereis...
Ai que eu tenho muitos Santinho amigos, ai tenho sim senhora.... que me ajudam na dificil Missão...pois todos têm uma Missão, pena que nem todos façam por ela.
O responso soube-o de cor, decorei-o à anos mas depois fui esquecendo...
Vou imprimir para por na mesa de cabeceira..pois asism em vez de lugar no parque peço uma ajuda especial para um problema dificil de resolver...a verdinha até sabe que o problema nem é lá muito verde ehhhhhhhh.... Beijinhos amigos e um dia feliz pois já me sinto tão bem que esqueço que estive doente...laura

Maria disse...

Henriquamigo
Este São João é o meu Santo preferido noutros assuntos.
Quanto à quadra dos Antónios, que já conhecia, o segundo era de outra Santa, não de Lisboa. Liberdades poéticas é ké.

Santo António é de Lisboa,
Digam que sim ou que não.
Enquanto a outra pessoa
É de Santa Comba Dão.

Do Dão eu gosto do vinho.
Gosto das terras, das gentes.
O outro não foi santinho
Fazia ranger os dentes
Ao pobre do Zé Povinho.

Mas não duvides Henrique
Que haja hoje quem deseje,
Que ele volte e que fique.
Há para aí tanto hereje!

E com estas mal amanhadas rimas me vou, ou melhor, me fico, porque porque já gastei a cota de disparates diária.

Abraços dos homens, beijinhos à Santa Raquel de Goa e queijinhos da Serra para ti.
Maria

Maria disse...

Querida Verdinha
Responso quer dizer muita coisa. Pode ser ralhar, dizer mal, tem a ver com certa parte da liturgia. Por via popular, será pedido, súplica, reza.
Porque lhe chama o povo responso, não sei. Sei que sempre assim foi chamado.
Beijo
Maria

Maria disse...

Laurinha
Fiquei muito contente por já estares bem.
Beijinho
Maria

mariabesuga disse...

Dei cá um saltinho para te agradecer os Parabéns lá no post da Laurinha mas tens sempre temas interessantes que fiquei aqui a ler alguns trabalhos. Já não vinha cá há tanto tempo...

Santo António milagreiro... casamenteiro... Vi em Praga uma estátua ao Santo António (nosso) com a designação de "Santo António de Pádua"...

Beijinhos... Aquele nosso abraço que não há maneira de voltar a acontecer...

Espero que estejas bem e tudo bem.

Maria disse...

Querida Girassol
Também vi o Santo António de "Pádua" e as relíquias. A Igreja é bonita, mas não senti a "presença" dele, como na Igreja de Lisboa. De Lisboa, de Pádua, de onde quizerem, ele é de todos.
Também já tenho saudades daquele abraço tão sentido, que trocamos nas Gaeiras. Até quando?
Maria