segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mulheres

Conheci-a nova. Não muito alta, não muito gorda, um rosto bonitinho, onde uns olhos azuis claros tinham por vezes um olhar vago. Muito loira, a pele branca. Era simpática mas, às vezes, havia qualquer coisa estranha. Casada, dois filhos, loiros como ela. O marido, relojoeiro, teve sempre um ar de quem comeu e não gostou, antipático, quase não falava a ninguém, a não ser para discutir quando estava quente do vinho. Era bruto com ela e com os putos. Eles mostravam medo do pai.
Ela fazia o trabalho de casa, fazia as compras, criava os filhos.
Cada vez estava mais apática, um olhar vago, uns modos estranhos. Alguém descobriu que se estava a tratar no Júlio de Matos. Caridosamente, começaram a referir-se-lhe como “Maria maluca”. Cada vez falava menos, fechava-se em casa, o filho mais velho, relojoeiro como o pai, saiu de casa. O mais novo, já um pouco desequilibrado, meteu-se na droga. Um dia perguntei ao homem como estava a mulher, que já não via há tempos. Que estava no hospital, maluca de todo. Brutalmente, sem um pouco de pena. Ele é que era a vítima!
Reformou-se, passando a vida no tasco. Um dia teve uma trombose. Quando veio para casa mal andava. Ao 2º ataque ficou totalmente incapacitado. Agora a “Maria maluca” vai todos os dias a uma associação de reformados buscar a comida dele, dela e do filho. Leva mais de meia hora a andar 50 metros. Gorda, desfigurada, doente, arrasta o saco pela rua, parando de 2 em 2 passos. Ele está acamado, o filho fuma o dia todo, tabaco e droga. Ele não quer ajudas de ninguém. E é a mulher, que um dia foi bonitinha e hoje é um trapo, que aguenta tudo. Quando a vejo do alto do meu 4º andar, arrastando-se, olhando sem ver, penso nas outras “Marias malucas” que proliferam por esse mundo. E dói-me, dói-me muito.
Igualdade? Protecção da mulher, onde? Algumas nem direito têm de ser malucas!
Pobre “Maria maluca”! Pobres de todas elas!
O tempo que está, faz-me tão mal!
Até um dia destes.

14 comentários:

Andre Moa disse...

Querida Maria,

Mais um belíssimo texto, bem sentido e bem urdido e, infelizmente, com um realismo de arrepiar. Como homem que sou, peço perdão por todos os relojoeiros avariados e que cortam, cerces, as asas aos anjos da guarda que a vida lhes pôs junto à mesinha de cabeceira.

Abreijos
André Moa

Maria disse...

Querido André

Se tu soubesses as histórias que vejo sem sair de casa!
Mulheres de caras manchadas de roxo, ainda tentam defender o seu algoz com unhas e dentes, pondo a culpa ao vinho!
Há anos tirei uma miúda das mãos do marido e do cunhado, dois mulatos altos e fortes, meti-a na minha casa e, como já não me deixaram passar, desci a escada e fui ao café telefonar para a policia. Só voltei com eles. Os policias, ao verem os tipos e a minha "avantajada" figura, ficaram a olhar para mim com cara de policias. Claro que à noite, o patrão deu-me um raspanete daqueles com razão. Só aí, eu vi o que tinha feito e, confesso, tive medo.
A frágil Maria, às vezes, lembra-se de armar em padeira de Aljubarrota. Até hoje não me dei mal. Não consigo ver "grandes" a bater em "pequenos".
Abreijos meu querido amigo.
Maria

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariamiga

Voltaste, como sempre, cheia de força - e de razão, ah mulher duma cana!

Chamam-nos animais racionais. Acrescento: às vezes, não. Nesta jiga-joga entre o masculino e o feminino, encontrar o caminho certo (ainda) é muito difícil. E, pelos vistos, continuará a ser.

As feministas dos finais do século XIX e princípios do século XX tiveram a coragem de se bater pelos direitos das mulheres. E, como é sabido, o fim da primeira onda do feminismo nos EUA é considerado como tendo terminado com a aprovação da 19ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos, de 1919, que concedeu a mulher o direito ao voto em todos os Estados.

Chamadas sufragistas, elas espalharam-se também por toda a Europa. Da Grã Bretanha à França, passando pelos países nórdicos, Alemanha e Holanda, a batalha feminina prosseguiu sem desfalecimentos.

Mas só na década de sessenta, as coisas começaram a estratificar-se. Para deveres iguais, direitos iguais, naturalmente; mas isso não impede que se tenham de reconhecer as diferenças. O caminho está em que o dia-a-dia registe mais avanços.

Prontos, sem s, acaba aqui a erudição wikipédica cá do jovem ancião. Bom, tenho de acrescentar que sabia algumas coisas, mas...

Bjs da Raquel - que manda muito mais do que eu... - 3abs para os machões e qjs para tu

Corvo disse...

Conheço bem a senhora.
E que cruz ela leva!
Num dia em que perguntei por ela ao marido, a resposta foi esta:
Ela devia mas era ir para a quinta, devia! Lá é que ela estava bem!
Eu, na minha inocência, ainda perguntei: "Mas vocês têm alguma quinta?"
- "Para aquela quinta que existe lá para cima, para as (local)".´
Só aí é que percebi que era o cemitério.

Mas olha, hoje não penses nisso que é um bom dia.

Beijinho especial!

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Dona Mariamiga, Insolência

Neste momento solene, em questamos todos bem bebidos, i.e., embebidos, não posso deixar de vir apresentar a Vossa Insolência os meus mais sentidos pês..., porra, mais sinceros parabéns.

Penso, no entanto, que já teria Vossa Insolência idade para ter juizo, mas pelos vistos, nem dente de siso tem. Enfim, coisas da quintidade e de quantidade variável TMG

Olha, minha querida, a minha proprietária alinha comigo por uma vez que seja e manda-te beijinhos. Eu envio 3abs masculinos e mts qjs para tu

Kim disse...

Parabéns menina. Só cheguei agora, mas ainda vim a tempo.
Felizmente que há mais Marias na terra. E não são malucas.
Tenho pena de todas as Marias e Manéis porque não sei onde e como chega a verdadeira loucura!
Parabéns Petite Marie!
Para quando o regresso a 100%?

Zé do Cão disse...

PARABENS, MARIA

Um dia tarde é certo, mas esta malta guarda os segredos ciosamente.

Que para o ano estejamos todos a festejar este dia.

Bj.

Texto bonito

Maria disse...

Henriquamigo
Desde miúda que tenho os olhos muito abertos para toda a violência contra mulheres e crianças.
Nem sou feminista de exageros, nem acredito na igualdade. Esta seria uma utopia dadas as diferenças físicas e morais entre os sexos.
Deviamos viver lado a lado, sem supremacias estúpidas e injustas.
Será isso algum dia possível? Enquanto as mulheres, pelo menos enquanto as mulheres continuarem a considerar-se propriedade de alguém, não creio.
Era preciso mudá-las por dentro.
Temos inteligência, somos capazes de fazer o mesmo que os homens mas...O atavismo, o hábito, a inércia de quase todas, leva-nos a isto. Maltratadas, tratadas como cidadãs de segunda. E o pior é que algumas gostam.
Obrigada pelos parabéns.
Abs dos machos, beijinhos para a Raquel e queijinhos para tu.
Maria

Maria disse...

Corvo, meu filho
Conheces a senhora, sim. É essa mesma. O gajo continua, mesmo de cama, bate-lhe com a bengala. Ela continua a deixar.
Isto e o tornado que devastou parte de Tomar, tirou-me a alegria.
Vocês todos, encheram o dia de sol.
Beijinhos
Mãe

Je Vois la Vie en Vert disse...

Parabéns, querida Maria !
Quando se trata de ajudar os outros, és uma mulher de "garras". Guarda um pouco desta força para te ajudar a ti, amiguinha !

Bonito texto, bem real, infelizmente ! Tantas mulheres sofreram nas mãos dos seus maridos ou pais por não terem recurso nenhum ou por medo do "falatório" . Agora há mais ajudas para estas mulheres mas ainda falta mudanças na cabeça das mulheres para terem a força de "arrancarem-se" deste poder machista e da vergonha.

Muitos beijinhos
Verdinha

Je Vois la Vie en Vert disse...

Lamento o que se passou na tua terra !
É um drama, é uma situação terrível mas pensa na sorte de não ter morrido ninguém. É destruição material que pode ser reconstruída !

Beijinhos
Verdinha

Maria disse...

Amigo Kim
Obrigada pelos parabéns e pelo teu post.
É verdade que nunca se sabe onde começa e acaba a loucura. Mas não é por certo à pancada que se cura.
Beijinho
Maria

Maria disse...

Verdinha querida
Obrigada pelos parabéns. Passei bem o dia mas, senti a minha alma fugir para Tomar. Mais uma machadada na minha linda terra.
Pensas como eu. A cabeça das mulheres é que tem de mudar. Algumas já não vão a tempo.
Um abraço grande
Maria

Maria disse...

Obrigada, amigo Zé.
O meu Corvo e o Kim, divulgaram o meu segredo.
Beijinhos
Maria