quarta-feira, 22 de abril de 2009

O Pintor, a Girassol e as Exposições


Ontem foi dia dedicado à Arte. Fomos às Caldas, às Gaeiras e a Óbidos.
Vimos as Exposições da Mizé, minha amiga de alguns anos.
Uma, no Centro Comercial Vivaci, outra na pequena, mas muito bonita Igreja de São Sebastião. Gostei, Mizé. Só tive pena de te não ver.
Depois, rumamos às Gaeiras, terra de bom vinho, de que meu pai muito falava. É uma terra bonita, de que falarei um destes dias.
Aí, num velho lagar, uma exposição de Arte Sacra, bastante completa. Um dos artistas é António Rodrigues (o Pintor) e a Girassol, sua mulher. Gostei muito dos quadros dele, da peça de cerâmica dela e, deles. A Girassol, era minha conhecida dos blogs, ficámos amigas num momento. Ele, é extremamente simpático e afável. Foram momentos muito agradáveis.
Vejam as fotos e pensem ir vê-las, lá. A viajem é curta e vale a pena. É fácil encontrar o lagar, mas qualquer pessoa, vos dá informações. É um local, onde se usa falar a quem passa.
Um pouquinho abaixo, outro lagar mais pequeno, transformado em atelier de Escultura cerâmica, onde está a Paula Clemente, um encanto de menina, com ar doce e frágil e, umas mãos que nasceram para fazer pequenas obras de arte, que apetece trazer para casa. Também é fácil lá chegar. Até por que, num e noutro dos lagares, sem rivalidades parvas, se indicam um ao outro.
Vi mais coisas bonitas, mas ficam para outro dia.
Hoje, só falo das exposições e dos artistas. Eles merecem.
Vá, amigos! Daqui lá é um saltinho. Um passeio de Sábado ou Domingo, com muita coisa bonita para ver.
Mizé, Pintor, Girassol e Paula, a Maria quando promete, cumpre.
Espero ter aberto o apetite, a alguns amigos. Parabéns para todos.
Gostei muito. É bom saber, que não é só em Lisboa, que há bons artistas e boas mostras de arte.
Vá lá. Espantem a preguiça e vão ver. Não se vão arrepender, por certo.
Até um dia destes.

17 comentários:

Kim disse...

Muito bem Maria!
Estive lá há alguns meses e também gostei do que vi.
Desta vez atrasei-me!
Se eu soubesse que ias lá tinha-te dado o telefone da Maria.
Adorei as pinturas que vi, já para não falar dos Cristos.
bj Petite Marie

Maria disse...

Kim:
É bom ver que nesta pasmaceira de país, alguns ainda mexem.
É muito bom saber, que não é só em Lisboa, que há exposições, vida intelectual e malta nova com algumas ideias na cabeça e jeito nas mãos.
Foi tudo isso que me encantou, nesta breve, mas agradável voltinha.
Tive pena de não ver a Maria das Caldas. Durante um tempo, demo-nos bastante e gosto dela.
Beijo

pico minha ilha disse...

Gostava de poder ir Maria, mas como sabe é impossivél.Por aqui também precisamos de coisas assim, pelas festas aparece, estamos quase lá.Beijinhos
ps: Tem razão quando diz que um livro nunca nos traí, aqui é mais dificil de encontrar.Temos a biblioteca à pouco tempo, já fiz cartão para lá ir buscar.Comprar mais no Modelo no Faial, por aqui é as revistas.Pelo que disse vejo que muitos já leu, professora ou algo a ver com letras.

Laura disse...

Que linda nina tu és e foste...E se der, o Nuno já confirmou que me leva lá segunda feira, se os ninos Pintor e girassol, estiverem por ali, vamos passar parte do dia com eles na sua casinha...ter aquele ambiente de familia como gosto, porque eu adoro a nina girassol e o seu nino mais pequenito...que bom que vais er.Assim...também lá vou e claro, depois vamos ver a exposição, antes de virmos para Braga..
beijinhos a ti que és queridinhaaaaaa..laura.

Maria disse...

S.
É o preço que se paga por viver no Paraíso que é o Pico. Em contrapartida, tem a Paz, a Natureza no seu estado puro, a maravilha que é olhar o Pico em toda a sua altaneira beleza.
Quanto a comprar livros aí, pela net, já se podem adquirir alguns, com uma grande margem de segurança.
Quando vem cá?
Avise, pois gostava de a ver e, quem sabe, levá-la às livrarias.
Quando aí estive, morava aí uma rapariga com o marido e os filhinhos, que escrevia e o marido era pintor. Chama-se Fátima Madruga.
Eram um casal muito simpático. Nunca mais soube deles e tenho pena.
Beijinho

Maria disse...

Laurinha:
Espero que apanhes um dia lindo e soalheiro, como eu apanhei. Aquela zona é maravilhosa e a Girassol e o Pintor, são umas pessoas fora de série.
O teu Nuno deve estar radiante, por estar contigo.
Olha lá, que o moço é mesmo giro.
Dias felizes para vocês, que bem merecem.
Ainda não comprei o livro da Ana. Se calhar, compro-o na Feira.
Beijinhos, nina linda. Até amanhã.

pico minha ilha disse...

Maria o nome Fátima Madruga não me é estranho, vou perguntar a meu marido que conhece mais pessoas que eu.Através da net, tem a fnac, de lá a minha patroa vai trazer na próxima semana Lua nova de STEPHENIE MEYER.Ir ai nunca fui e nem sei se algum dia irei, meios pequenos, salários pequenos, sabe como é.Um dia heide encontrá-la por aqui junto de sua família.Beijinho Maria

pico minha ilha disse...

Amiga Maria penso que Fátima Madruga além de escritora também será pintora, lá por Santa-Luzia na chamada casa preta.Será que estou enganada?
Beijinhos

antonior disse...

Vim aqui num instante, no meio das actividades, para dizer duas coisas que são importantes, pela necessidade de serem ditas, conferida pela sinceridade e pela justiça.
Primeira: Foi bom ter-vos recebido sem nada ser combinado. Os acontecimentos quando se devem alinhar dão as voltas necessárias...
Segundo: Obrigado por todos os elogios, que sabemos ser sinceros. Muito nos agradam, mesmo quando os sentimos para além do nosso merecimento. Muito obrigado pela divulgação aqui, com imagens e opinião.
Até breve!

girassol disse...

Ah Maria muito obrigada pela divulgação do evento. E por terem vindo e gostado. É de facto muito bom acontecerem por aqui eventos desta natureza. Nós, participantes, sentimos que é dever cumprido...

Obrigada pelos elogios, tantos!... Não precisa. Fazemos o que gostamos e é nosso objectivo primeiro "mostrar" para que possa ser apreciado por todos. As artes não podem ser de elites e não podemos exigir que todas as pessoas se interessem e/ou se esforcem para lhe chegar no sentido de a apreciar. Mas podemos nós criadores porque é nossa obrigação fazer todos os esforços no sentido de a levar a quem é mais difícil que ela chegue. É o que acontece nestes meios mais pequenos. Foi o que aqui viram.

Grande abraço demos. Sentido de reencontro como dizes. Os caminhos cruzam-se e somos levados à certa do que nos reservam os desígnios que não comandamos. Sem sabermos aconteceu. Gostei de conhecer-vos e teremos outras oportunidades...

Um beijo grande para ti Maria. Outro para o "motorista". A ele muito obrigada por ter-te trazido. Agradece-lhe também.

Maria disse...

S.
É isso mesmo, amiga.
Ela é escritora e pintora.
Tenho um livro, que comprei aì, chamado "Terra dos Biosótis", com texto da Fátima Madruga e ilustrações do Vitor Boga.
É um livro para crianças, mas qualquer adulto, com um pouco de sensibilidade, o adora.
A história é linda e as ilustrações maravilhosas. Ainda tenho mais livos dela. Este, foi o primeiro que encontrei.
Recordo-me, que a casa deles, era um pouco isolada.
Como o mundo é pequeno.
Beijinho

pico minha ilha disse...

Tenho o livro a que se refere aqui em casa, as pequenas já leram e eu também faz algum tempo.A casa fica mais isolada sim.Se for aqui neste blog da terceira, o dono do blog é da terceira mas a mulher é de S.Luzía, aqui encontra um post alusivo a Fátima Madruga e à casa preta. http://ideiaseideais.blogs.sapo.pt/133163.html

Beijinhos

Maria disse...

António, o Pintor:
Queriamos ter dito muito mais, mas depois não dávamos, aos outros a possibilidade de descobrir, numa rua de uma terrinha de província, num antigo Lagar, a maravilhosa exposição, os vossos trabalhos e, com um pouquinho de sorte, verem-vos e falarem convosco.
Já lemos o catálogo e, já está guardado, junto de outras coisas importantes.
Obrigados pelo vosso simpático acolhimento e por tudo o que de bonito vimos.
Um abraço dos amigos
João e Maria

Maria disse...

Girassol:
Às vezes, conhecemos uma pessoa anos a fio e nunca há grande coisa para dizer. Outras, num momento conhecemos alguém e acontece um abraço, forte como se fosse de reencontro. E as palavas saem, a conversa flui, como se toda a vida nos tivessemos conhecido. Acho que foi isso que aconteceu, entre nós duas. Foi muito bom amiga.
Conhecermo-nos, falarmos, trocar pontos de vista, alguns bem parecidos.
Não tens que agradecer nada. Tudo o que disse é sincero.
Um beijinho do "motorista" e um abraço, igual aquele de outro dia.

Anónimo disse...

Maria - A Maria das Caldas agradece a visita, mas teve muita pena de não te encontrar, apareci logo de seguida, quando vieres cá novamente telefona, o teu marido tem o numero.Beijo

Maria disse...

Maria das Caldas:

Gostei das tuas obras, como já disse. Só tive pena de não te ver e lembrar tempos antigos.
Sabes? O meu filho, que tu foste visitar à clínica de São Miguel, já vai fazer 30 anos, no mês que vem. Ainda guardo o casaquinho e as botinhas azuis, que lhe levaste.
Gostas muito de azul, não gostas?
É que, nos teus quadros, voltei a ver, o mesmo azul do casaquinho e das sombras dos olhos, que me aconselhavas. Eu também gosto de azul.
Beijo e boa sorte para os teus trabalhos.
Um dia, a gente vê-se, por aí.

Maria disse...

S.
Encontrei agora mesmo o post que fala da "Casa Preta" e da Fátima Madruga. São elas mesmo, amiga.
A minha irmã, levou-me lá. Aquilo parece uma coisa do outro mundo. Uma maravilha. Ela é simpática, acolhedora e com uma conversa interessante. Tudo aquilo, nos faz sonhar. Fiquei a admirá-la muito, pela forma de vida que escolheu. Eu nunca conseguiria viver assim, longe de tudo.
Obrigada pela dica, S.
Beijinho