quinta-feira, 28 de abril de 2011

Receber uma carta à moda antiga



Datada de dia 21 de Abril, recebi uma carta com envelope e tudo.
No meio de contas para pagar, foi agradável. Dentro do envelope vinha o Postal acima.
O Corvo foi a Tomar e mandou-me um postal da minha terra. Foi bom voltar ao antigamente.
Reproduzo-a tal e qual ma mandou:

Tomar, 22 de Abril de 2011-04-28

Pai e Mãe,
Naturalmente recebem este postal já depois de eu ter chegado.
Mas, em todo o caso, aqui vai um postalinho para vos fazer saudades.
Aqui, a Igreja de Stª Maria dos Olivais, onde ainda não fui. Só fui à de S. João Baptista, à de Stª Iria e à Ermida da Srª da Piedade.
Hoje senti medo de subir aquelas escadas. Depois mostro-vos as fotos para verem aquela miséria.
De resto, aparentemente, Tomar não está muito destruída.
O Nabão está sujo.
O União está no mesmo sítio.
Beijinhos para vocês e para o outro Nabão.

Vasco

Que saudades de receber uma carta pelo correio! Abrir o envelope, ver o que tem dentro... Obrigada filho.

Até um dia destes.

24 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Mariazinha, é mesmo muito bom receber carta à moda antiga, manuscrita, em letra cursiva. Há muito,não recebo. Na verdade, recebo,indiretamente...meu marido, que é de Goa, tem 1 irmã e duas cunhadas que moram em Lisboa.
Raramente, enviam cartas, mas mandam...Depois dele, claro, leio todas...
Um dos sobrinhos, chama-se Vasco. Este, é piloto de avião e mora em Los Ângelis.
Beijinhos

Laura disse...

É mesmo, Maria, uma carta tem outro sabor, outros cheiros e lembranças.
Não sei como chegamos aqui, mas era tão lindo lembrar que havia alguém que perdia (perdia?) tempo a escrever, dar noticias, e a gente retribuia com alegria, perdia (perdia?) tempo nos correios por vezes me bichas compridas, para comprar os selos, ah, agora clica-se e lá vai tudo, nada de selos e de perdas de tempo...

Bonito o postal do teu nino que eu conheço, e linda forma de matar saudades.

Um beijinho da flor de linho.

laura

Je Vois la Vie en Vert disse...

Pois é, a não ser de facturas ou de pedidos de ajuda, não recebo muitas cartas mas ainda recebo algumas. Os meus filhos também se lembram quase sempre de enviar um postal aos pais quando vão de férias.
beijinhos
Verdinha

Maria disse...

Lucinha querida`
É bom receber uma carta. Tenho guardadas muitas da minha avó, dos meus pais, postais de parabéns de familiares. As que recebemos aqui vão-se com o tempo.
Às vezes leio cartas antigas que meu pai me deu, datadas de 18... de bisavós, primos, etc.
Há sempre uma grande curiosidade abrir um envelope e, imaginar o que lá está dentro.
Beijinhos
Maria

Maria disse...

Flor de Linho
Tenho guardadas 114 cartas que o meu marido me escreveu de Mafra, quando lá esteve na tropa. Juntamente, estão as que lhe escrevi em resposta. Por vezes leio-as, choro e riu-me, fico cheia de saudades, mas é bom.
"Cartas de amor, quem as não tem..."
Beijinhos
Maria

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Maria disse...

Verdinha querida
Ontem entre as benditas facturas, as cartas que nos prometem mil e um objectos, encontrei uma carta à antiga. Gostei tanto, que a quis partilhar convosco.
Como digo à Laura, tenho 114 cartas do João, do tempo da tropa.
Beijinhos
Maria

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariamiga

Prontos (sem s), lá me deste mais uma facadela no pêto com esta da carta. Lembrei-me logo quando em badameco cantei, santa ingenuidade, o Marco do Correio do Alberto Ribeiro.

Tinha eu seis anitos, mas ainda o sei de cor e salteado. Olha, era assim:

Minha rua sossegada
Tem á beira do passeio
A coisa mais engraçada
Que é o marco do correio

Marco do correio
De portinha ao centro
Não sabes, eu creio
No que tens lá dentro

Quantas raivas e desejos
Mil respostas e perguntas
Quantas saudades e beijos
E quantas lágrimas juntas

Marco do correio
Deixa-me espreitar
Deixa que eu não leio
Nem vou divulgar

Vá lá, não fiques zangado
Deixa-me ver, por favor
A carta que tens ao lado
A carta do meu amor


Isto éke vai uma crise…

3abs, cheiros da Kel (a Lúcia brasuca é um espanto…( e qjs para tu

Maria disse...

Henriquamigo
Que lirico que tu estás! Já vi que gostas das velhas canções românticas da nossa infância.
O mano Appio cantava o "Marco do correio" com a mãe. A minha casa era uma gaiola de pássaros. Aqueles dois enchiam-na de música, de manhã à noite. Depois comecei eu a ajudar. A miúda mais nova também. O pai, que não tinha voz nenhuma, assobiava. Bons tempos. Ai Tomar da minha meninice feliz!
A Lucinha é uma querida. Descobrimo-nos pela Travessa e, somos grandes amigas.
A Travessa vai dar a todo o lado.
Beijinhos à Raquel e queijinhos para tu. Abs dos homes.
Maria

Green Knight disse...

Cartas Maria!...Algo que ainda nos faz sentir humanos, por sabermos que o punho, de quem as escreve, ali esteve assente ao escrevê-las.
Até uma ligeira borra da tinta lhes dava um cunho pessoal.
Se essa carta é dum filho,então ainda o valor é maior.É como se o filho por vontade própria, esteja a viajar ao encontro, do tempo da sua mãe.
Gosto dessa aproximação.
Podemos modernizar o que nos apetecer
Bom fim de semana
Feliz dia da Mãe
Viva o 1º de Maio
Beijinhos Maria! parabéns pelo filho e pela carta

Maria disse...

Jrom amigo
As cartas são quase eternas. Sempre as guardei. Meu pai deu-me cartas antigas de bisavós e trisavós. Já me têm servido de material aqui.
Esta, escrita pelo meu filho, da minha terra, com abonita Igreja de Santa Maria do Olival, Iª cabeça dos Templários, já está na parede.
Amanhã, dia do Iº de Maio, dia da mãe, de todas as mães, espero ter um dia agradável. Obrigada pelos teus votos.
Um abraço da
Maria

Alva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kim disse...

Efectivamente, uma carta à moda antiga não tem nada a ver com um e-mail.
Mudam-se os tempos mas pode não se mudar a correspondência.
Só é pena o Nabão estar mais sujo.
Beijinho Petite Marie

Alva disse...

Maria,

Gosto de cartas!

Através delas sabes que alguém dedicou tempo para te escrever...
Consegues imaginar o que sentia através da forma de escrita...
Consegues sonhar com outros ambientes...
Consegues aliviar as saudades mais leves...
Podes ler e reler quantas vezes quiseres, o que as torna numa "quase" eterna sensação de sabores.

Afinal também se ama a escrever!

Muitos beijinhos,
Da tua Pequenina

P.S - Só agora reparei que classifiquei "cartas" como tu: Quase eternas. É bom, pensámos em sintonia. =)

Corvo disse...

É para ver se perdes o medo,
ou será mais até cobardia,
(perdoa-me a minha ousadia)
de ver tua terra, em relevo.

É que, apesar do tornado, vem aí a Festa dos Tabuleiros, e têm de ter a Cidade em condições.
Vê se vais à tua linda Tomar!
Pena a Cerca estar fechada, mas andam lá em obras, com máquinas.

Maria disse...

Kim, amigo
Uma carta de papel tem cheiro, tem selo, é fechada num envelope. O que lá está dentro é um mistério. É algo que só nós vamos ver.
Ainda agora sinto o mesmo formigueiro nos dedos, quando recebo uma.
Beijo
Maria

Maria disse...

Pequenina querida
Ainda hoje leio e releio cartas antigas das minhas bisavós, da minha avó, de meus pais e irmãos, do meu marido. Estas últimas comovem-me sempre. É todo o prícipio de um amor que, ainda resiste ao tempo. Como desejava que tu, minha sensitiva, tivesses um amor assim!
Beijinhos
Maria

Maria disse...

Meu Corvo
Lá mais para o Verão, veremos.
Vê lá se chegas depressa.
Estou à tua espera.
O Nabão nesta altura, está sempre sujo. Deve ser dos açudes.
Beijinho
Mãe

Ritinha disse...

Não me lembro da última vez que recebi uma carta. Sei que já recebi mas era ainda pequena.
Deve ser mesmo bom receber uma verdadeira carta mas as novas tecnologias começaram a tirar-nos esse prazer. Infelizmente!

beijinhos

Maria disse...

Querida Ritinha
Gosto de cartas. Guardo muitos postai de dia dos anos, do Natal, cartas dos pais, dos meus irmãos da avó.
Cartas de amor? tenho uma caixa cheia. Todas do mesmo amor. O de ontem, de hoje, de amanhã. Estas irão comigo, um dia que morra, porque... "Todas as cartas de amor são ridiculas. Se não fossem, não seriam cartas de amor", já dizia o Pessoa.
Beijinhos
Maria

jose garrido disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jose garrido disse...

Maria, foi assim que a minha mãe me ensinou a escrever uma carta. Já foi há tantos anos!
É muito bom esperar o carteiro e receber uma carta manuscrita, não tem nada a ver com estas novas tecnologias que são frias.
Raras são as pessoas a quem escrevo uma carta e já nem os pastais são tão bonitos como antigamente.
Realmente há que parar e pensar um bocadinho, tomar a decisão e voltar a escrever cartas à moda antiga tal como se escreviam. Sabe bem a quem escreve e sabe também bem a quem a recebe.

jose garrido disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jose garrido disse...

Belem, Lisboa 16 de Maio de 2011

Amiga Maria
Ao esta carta receber espero que se encontre bem e de saúde na companhia de toda a familia.
Eu também estou bem graças a Deus.
Andava já há alguns dias para lhe escrever até que hoje lá me decidi mandar-lhe estas letras nesta carta.
Por aqui tudo continua igual. Já sobre mim e daí o motivo de ter-me atrasado em responder-lhe é que voltei a estudar!
E tudo isto por causa de um amigo que me incentivou a tal.
Se bem que sempre ouvi dizer que "burro velho não aprende linguas" lá voltei aos cadernos e canetas, quadro e professores/as. Mas sabe, agora já não usam aquele quadro grande preto de lousa e onde se escrevia com giz.
Ainda estou muito no principio, mas até que estou a gostar.
E como vai Maria? Conte novidades! Estamos quase no Santo António! Vai às marchas? Eu ainda não sei.
Não tomo mais o seu tempo depois um dia falaremos mais.
Cumprimentos ao seu marido João e aos meninos, crescidos.
Sem mais termino esta carta.
José Araújo