domingo, 1 de maio de 2011

Dia de todas as mães



Poema à Mãe

No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe

Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos.

Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.

Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!

Olha — queres ouvir-me? —
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;

ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;

ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa
no meio de um laranjal...

Mas — tu sabes — a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber,

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.

Eugénio de Andrade

Todos nós vamos com as aves. Deixemos as rosas brancas para as Mães.

17 comentários:

Mjoao disse...

muito bonito mãe

Maria disse...

Filha querida
Tu sabes que não é só bonito. É verdadeiro e triste. Mas a vida é assim. Todos os animais deixam as crias partir. Fazemos o mesmo. Com mágoa, dor, sentindo o coração desfeito mas, temos que o fazer.
Lembrei-me ontem muito de ti.
Beijinhos e muita força.
Mãe

Green Knight disse...

Todas as Mães são tão protectoras, que omitem o crescimento das asas dos filhos.
Grande lição, a das aves!
Quando chega o momento próprio, elas empurram as suas crias, para o espaço e assim desenvolverão o seus vôos progressivamente.
As Mães gostam de manter os seus filhos no ninho "sempre".
bjs
jrom

Green Knight disse...

Parabéns Maria e aos teus filhos.
Ainda tens o teu ninho muito aconchegado.
jrom

Ritinha disse...

Muito bonito.

beijinhos

Maria disse...

Jrom
Vi sair com mágoa os meus passarinhos do ninho. Vi-os seguir os caminhos que escolheram, com medo. Vejo um mundo muito mau para eles. Quero que sejam felizes, mesmo que isso implique afastamento, saudade, dor, da minha parte.
Mas eu também já deixei os meus pais que, devem ter sentido o mesmo.
Ficamos com as rosas. Só que as rosas têem espinhos.
Beijo
Maria

Maria disse...

Ritinha
Há muitos versos dedicados às mães, de grandes poetas.
Gosto muito destes de Eugénio de Andrade, que me falam ao meu coração.
Um dia, quando fores mãe, saberás!
Beijinhos amiguinha
Maria

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariamiga

Todos os dias deviam se Dias das Mães. Ainda sou (somos...) do tempo em que o Dia da Mãe era fixo, a 8 de Dezembro. Feriado, por ser a Imaculada Conceição, padroeira de Portugal (graça que ainda hoje continua, apesar da crise) era quando se homenageavam as Mães de cada um.

Agora, com a profusão de Dias para todos e para tudo, este ano o deste ano coincidiu com o dos Trabalhadores.

Faltou pouco para se sair às ruas com o slogan Mães unidas jamais serão vendidas, digo, vencidas!!!

A ironia calina não condiz com os restantes comentários, todos espelhos de felicidade, como compete.

Os meus filhos ofereceram prendas à Mãe, naturalmente. Aprovei. Mas pensei que não são as oferendas que fazem o Dia da Mãe: são os corações.

3abçs, cheiros da da Mãe Kel e qjs para tu

Maria disse...

Henriquamigo
Como tu, acho que há demasiados dias de...
Todos os dias me sinto mãe, todos os dias me sinto filha, mesmo que a minha já tenha partido há muito.
Torga, lá vem ele outra vez, dizia que só no dia da morte do pai, se sentiu inteiramente responsável por si mesmo. Pensei muito na minha e no meu pai mas, acima de tudo, pensei nos meus filhos.
Que os espera?
Preciso de falar contigo. Depois ligo.
Beijinhos à mãe Raquel da mãe Maga, abs dos homes e queijinhos para tu
Maria

Je Vois la Vie en Vert disse...

Pois é, minha querida, nós as mães temos que deixar voar os nossos filhos mesmo se nos custa imenso ter que fazer isso, gostávamos de continuar a segurar-lhes a mão para eles não caírem.
Com as rosas, minha amiga, sabes o que faço ? deixo-me embriagar pelo seu perfume e assim não sinto os espinhos !
Ontem, não quis nem prenda nem flores dos meus filhos porque é uma felicidade para mim ser mãe deles todos os dias e a presença deles era o suficiente para me trazer felicidade !
Como eu te disse anteriormente, ontem festejei o dia da mãe das outras mães cantando para elas. Foi um momento de canto diversos e de poesias. Não senti tristeza nessa altura porque o meu coração estava cheio do amor dos meus filhos e a minha mãe estava a ouvir-me !

Beijinhos
Verdinha

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Todos os dias, são dias de todas as mães, mas um só dia é escolhido para as grandes homenagens. Aqui, no Brasil, é no 2º domingo do mês de maio, no próximo, portanto.

Triste, mas bela a poesia.
Sempre achamos que deveríamos ter ofertado mais amor e rosas à nossa mãe. Quando já não a temos ao lado,mais forte é essa espécie de "remorso". Passei muitos anos longe da minha, eu morando no Rio de Janeiro e ela em Fortaleza...uns 3 mil km de distância. Assim foi, por 25 anos.
Vinha visitá-la, de 2 em 2 anos, em média...ainda não aprendi a não
me culpar...Preciso.
Beijos, minha querida...

Maria disse...

Verdinha Querida
Ainda bem que passaste o dia cantando. Foi uma bela forma de festejar o dia das mães.
É verdade que não é fácil deixar partir um filho. Mas, se virmos bem, todos partimos também, deixando nos nossos pais a sensação que hoje sentimos.
Perto ou longe, o nosso amor por eles é sempre igual.
Não gosto de dias de... Todos os dias são bons para amar os flhos, os pais, a humanidade inteira.
Beijinho amiga
Maria

Maria disse...

Lucinha querida
Dantes aqui, o dia da mãe era festejado no dia 8 de Dezembro, dia do meu aniversário. Gostava mais. Ficava contente, escrevia cartas à minha mãe, fazia-lhe desenhos.
No dia que fiz 5 anos, lembro-me de ir com o meu pai comprar um bonito guarda-chuva, que ela cobiçava há muito tempo. Foi talvez o dia da mãe mais bonito.
Ela feliz pelo guarda-chuva, eu feliz por lho ter dado.
Beijinhos, amiga e, Bom dia da Mãe no próximo domingo.
Maria

Je Vois la Vie en Vert disse...

Querida Maria,

Permitas-me escrever um comentário à Luzia que sente culpa por não ter estado mais perto da mãe ?

Luzia, eu também afastei-me da minha mãe com 2400 kms a nos separar e isto durante 37 anos mas consegui sempre manter-me em contacto, por carta, por telefone e por visitas dela ou minha (pelo menos 2 vezes por ano).
Ao início custou-me imenso mas habituei-me.
À medida que eu ia envelhecendo e que os meus filhos iam crescendo e "afastando-se", senti mais vontade de me aproximar da minha mãe, percebendo como deve lhe ter custado muito estar separada da filha, sem nunca o dizer para não estragar a minha felicidade ou provocar remorsos. Ela sempre me disse que estava muito feliz por saber que a filha tinha feito uma boa escolha, gostava muito do meu marido e do meu país de adopção.
Não tenhas culpa, a vida é mesmo assim, e não é preciso estar presente para manifestar o nosso carinho pelas pessoas.
Pelo que entendi, a tua mãe já não está entre nós, a minha também não, partiu há pouco mais de um mês mas sei que, agora como sempre, ela sente com gosto cada momento de felicidade que sinto e ainda agora seca logo as minhas lágrimas quando correm na minha face. A tua mãe, de certeza, sente a mesma coisa ! Por isso, não chora nem tenhas remorsos porque isso deve entristê-la !
Feliz Dia da Mãe no próximo domingo !
Beijinhos
Verdinha

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Querida Maria
Este seu Alcatruzes, está sendo, também,um meio de se deixar recadinhos. Agora, quem lhe pede, permissão, sou eu, para "falar" com a amiga Verdinha:>... depois que ela passou por aqui, foi até à Cadeirinha de Arruar, dizer-me que deixara um recado a mim, aqui, mas pediu-me desculpas por ter se me chamado de "Luzia" e não Lucia.
Já respondi à Verdinha que não é problema, o engano. Já respondí, a ela, lá no meu blog e,....agora mesmo vou ao "Je Vois la Vie en Vert" para, simplesmente, SEGUÍ-LA...
Grata, amiga, pelo "uso", ou seria "abuso?" rsrs...do seu maravilhoso cantinho...

Mil beijinhos, com muito carinho,
Lúcia

Laura disse...

Tão lindo e tão belo, só podia ser do Eugénio de Andrade...

É, há mães que deixam mágoas eternas no coração de cada um, outras são mães de amor, mas cada uma trouxe a sua cruz, e a vida continua...

Assim; é tão bom quando sabemos amar os nossos filhos e nos sentimos amadas por eles.

Um beijinho da flor de linho.

Zé do Cão disse...

Já há muitos anos que choro a tua perda. Este ano passaste ao meu lado e nem dei por isso.
Peço desculpa, mãe querida.

sei que não me esaueces