domingo, 2 de outubro de 2011

Um Puzzle Incompleto


Ontem tentei recrear na medida do possível, os aniversários de meu Pai. Juntei o máximo de descendentes que pude.
Fiz almoço de Festa, com a mesa enfeitada, o Bolo de aniversário, a alegria e a ternura que sentimos uns pelos outros, mesmo depois de longas separações.
Correu tudo bem, estávamos felizes, eu pelo menos estava, apesar de algumas peças que faltaram, por absoluta falta de disponibilidade. Faltava a minha maninha mais nova, retida nos Açores, a minha filha retida no Algarve pelo trabalho, a minha nora (filha), igualmente a trabalhar e, os meus dois sobrinhos, filhos da mana.
Conseguimos ser nove. O mano e a cunhada, o sobrinho mais velho ( grande alegria, meu Janico), os meus dois filhos rapazes e os netos queridos.
E claro, faltava a peça principal, o aniversariante, por razões óbvias.
O meu puzzle ficou bonito, mesmo com os tais buraquinhos , causados pela falta das tais pecinhas.
Para o ano, se me der na cabeça, pensarei nisto mais cedo, recuperarei algumas das peças que faltaram, talvez junte outras.
Soube-me a pouco, soube-me a tanto.
Eu sei que ficarias contente, Pai.

Até um dia destes
Maria

35 comentários:

Corvo disse...

Em linguagem sociológica, diz-se que em qualquer grupo existe um líder, sendo que quando este deixa de existir, o grupo tende a desfazer-se. Porém, pode surgir um novo líder.
Em linguagem formal, traduzo o grupo para a nossa família (de há dez anos atrás) e o líder para o teu pai. A família dispersou-se, apesar de várias tentativas posteriores para voltar a juntá-la. Fizeste uma grande "recuperação". E, se o formos fazendo, à vez, num dia em casa de um, noutro dia em casa de outro, recuperaremos o espírito de família. Mesmo que não seja no dia 1 de Outubro, que seja, ao menos, para seguir o seu exemplo.

Beijinhos do neto, para a Maguinha.

Maria disse...

Meu Corvo
Se metermos os dois, ombros a essa empresa, talvez resulte. Nunca terá a mesma abrangência, pois faltará o líder insubstituível que, foi o Avô.
Mas, se teimarmos muito, talvez para o ano, haja mais alguns interessados.
É difícil, com a vida de hoje mas, não é impossível. Vamos meter mãos à obra? Acho que todos nos sentimos bem. Foi um dia de que ele teria gostado.
Beijinhos, neto do teu avô.
Mãe

Corvo disse...

Vamos a isso!
Mesmo com tempos difíceis que atravessamos, conseguiste provar que é possível ultrapassar as dificuldades.
Pena que para o ano, calhe numa segunda-feira, porque 2012 é bissexto. Mas também não é obrigatório cumprir a data à risca, não é?

Alva disse...

Olá Maria

Talvez se conseguisses completar todo o puzzle este ano não terias vontade de fazer um próximo... pensa nisto...
"Nada acontece por acaso"

Mil beijinhos
Da tua pequenina

Maria disse...

Corvo
Há sempre um Sábado ou Domingo, perto do dia 1.
Claro que não é obrigatório, ser no dia certo.
Beijinho
Mãe

Maria disse...

Pequenina
Como tu és inteligente! Realmente o melhor dos puzzles é procurar as peças e pô-las no sítio. Depois de completo, deixa de ter graça.
Gosto tanto de ti!
Beijinhos, muitos
Da tua
Maria

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariamiga

Nestas coisas só conheço uma Goesa que te bate aos pontos: todos os sábados por ordem raquelina a famelga vem almoçar cá a casa. Entre graúdos e miúdos, no mínimo são 15...

Prontos, sem s, tenho de concordar com o Vascorvo. Isto de ser líder dá muitas fezes - mas há quem abuse, como é o teu caso. E mais não digo. Corrijo: muitos parabéns!

Os 3abçs de sempre e hoje mais uns quantos e, desta feita, umas queijadas de Moncorvo

Ritinha disse...

Acho que essa ideia foi muito bonita. Uma grande dedicatória à memória do seu pai :D

Beijinho

Maria disse...

Henriquamigo
Isto não foi nada, comparado com as grandes reuniões em casa do meu pai e da minha avó.Sem falar na minha família materna, onde eram, quase todos os dias cerca de 20 pessoas.
Só os de casa eram 10, todos os dias, mais os amigos. A casa de jantar era grande. Mas, em casa da avó era uma festa cheia de barulho, parecíamos uma grande gaiola de grilos. No sábado foi o mesmo. Fala tudo ao mesmo tempo, há risos de crianças e dos outros.
Eu adoro este bulício.
Vamos lá ver se para o ano, aumenta.
Era disso que o pai gostava.
Abraços dos homens todos, beijinhos à valente Raquel e uma fatia de bolo para tu.
Maria

Maria disse...

Ritinha
Fiquei muito feliz com o teu comentário, minha amiguinha.
Obrigada, minha querida.
Beijinho
Maria

Corvo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vasco disse...

Já vai tempo em que se juntava a família toda em casa do avô.
A casa ficava cheia.

Beijinhos.

Maria disse...

Corvo,meu filho
Juntámos uma festa pequenina mas, para mim foi muito bom. Grande parte da descendência directa dele estava presente, o que já foi bom. Para o ano, talvez sejamos mais.
Beijinho da
Mãe

Green Knight disse...

A vida corrida definitivamente transformou profundamente certos costumes e tradições que eram comuns para a sociedade em geral, e especialmente para as famílias. Um deles, que está quase desaparecendo nos dias de hoje, é o hábito de fazer as refeições junto com toda a família. Mas por que será que isso aconteceu?
Falta um leader com autoridade que mostre a real importância da família e organize esses eventos.
A minha falecida mãe alcunhada de “coronel” sempre que achava oportuno só dizia esta frase: não quero que no próximo domingo ninguém falte para almoçar!..
Sinto saudades.
“Maria as minhas desculpas pela minha preguiça”
bjs do jrom

Green Knight disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

Green Knight, amigo
Na minha família sempre houve o culto das longas refeições, temperadas de grandes conversas. Tudo servia para comemorar: aniversários, Natal. Tanto do lado materno, como do paterno, a família era enorme.
Hoje em dia, desde a morte de meu pai, foi-se tudo afastando. Este ano resolvi, festejar o aniversário dele, como se ele cá estivesse. Resultou muito bem. Tão bem, que para o ano, vou tentar arregimentar mais alguns. Espero que a saúde me ajude.
Obrigada e um beijinho da
Maria

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Muito bom, mas tão raro,esse recordar e celebrar datas significativas, reunindo, ao máximo, a família.
Vim de Brasília com meu mano (com quem fiquei lá 15 dias).
Acabei, há pouco, de chegar da casa de minha irmã mais velha ( que mora na casa onde viveram meus pais conosco). Dos 6 irmãos, restam apenas nós 3 "meninas" e o mano mais velho. Minha irmã(a que ficou com a casa "velha"), chorou de tanta felicidade por ter reunido os irmãos.Momentos semelhantes, acontecem, ao menos, uma vez à cada ano...Nada, é mais importante.

Parabéns,Maria, pelo aniversário do pai, e pelo seu empenho em manter a família reunida, nesta data tão querida, principalmente.

Beijinhos, da irmã brasileira
Lúcia

Maria disse...

Lucinha querida
Cada mais me convenço que, devemos ter algum traço familiar que nos une.
Esta necessidade de juntar gente nossa, já pouco se vê. Para o ano tentarei que sejam mais. Quanto mais envelheço, mais necessidade tenho de recuperar lembranças e gentes antigas.
Que bom que a ida a Brasília e a reunião com teus irmãos foram tão boas!
Para mim, este dia foi como se voltasse ao passado, ao tempo em que éramos uma família grande e feliz.
Vou tentar fazer o mesmo com a família do meu marido. Se conseguir, sei que ele vai ficar feliz.
Vou visitar-te daqui a pouco.
Beijinho grande, irmãzinha do Brasil.
Quem sabe, um dia nos veremos.
Maria

Green Knight disse...

Gosto Maria!Está na hora de reunir a família em saudável partilha.
Não se encontra maior fortaleza do que no seio da família.
Por vezes, não é pacífico haver quem tome a dianteira nesses eventos, mas a união nas famílias é urgente.
Bem hajam os conservadores destes importantes valores.
Bjs Maria
jrom

Maria disse...

É Jrom. É um pouco difícil, com a vida lixada que todos temos. Mas tudo vale a pena, quando resulta bem. Tenho o corpo cansado mas, a alma está leve e alegre como um passarinho. Fiz o que desejava e que, deixaria o meu querido pai feliz.
Ele adorava ver muita gente reunida.
Adorava ser o centro das atenções. Como ouvia muito pouco, eu ficava sempre ao lado dele, para lhe traduzir o que se passava. A minha voz, ele ouvia mesmo sem falar alto.
Sabes? Dei comigo, a tentar memorizar tudo o que ouvia, para lhe dizer. Ele devia estar muito feliz.
Beijinho, meu amigo
Maria

Green Knight disse...

É fácil deduzir na maneira apaixonada como descreves o teu pai.
Imagino com facilidade essas saudosas imagens.
Fazes-me viajar no tempo com tão belos quadros de cores tão profundas.
Deus te conserve
bjs Maria

Maria disse...

Jrom
Não sei se alguém pode calcular, o que o meu pai foi e, é para mim.
Foi pai, amigo, mestre, exemplo.
No dia em que o perdi, senti-me perdida. Se não fosse o grande companheiro que tenho, não sei se resistiria.
Foi o meu primeiro amor e, das poucas pessoas que me influenciou, o que é muito difícil.
Beijinho
Maria

Kim disse...

Petite Marie
E tens de pensar em fazer a árvore genealógica da família.
A mim, dá-me um gozo imenso.
O mais difícil foi começar. Para o próximo ano vais melhora o almoço.
Beijinho

Je Vois La Vie en Vert disse...

Querida Maria,

Pensei ter comentado... O meu comentário terá ido parar ao SPAM ?
Estes encontros familiares são tão calorosos, mesmo se se trata de festejar uma pessoa ausente, facto original - e porque não ?

Beijinhos
Verdinha

Maria disse...

Kim, meu amigo
O João fez a árvore de toda a família, de um lado e de outro. É mais a árvore genealógica dos filhos, visto englobar as duas famílias. Vem dos quadrisavós dele e meus, até ao presente. Está sempre a crescer, pois continuam a nascer netos das minhas primas e das dele. Está muito gira, com muitas fotos antigas e modernas mas, está sempre a crescer. Ele tem uma grande paciência, eu as fotos e os nomes. Se um dia conseguisse juntar os que existem, nem o Casino me chegava. Seria muito giro.
Quando o meu pai vivia, juntava-se tudo em casa dele e, ele adorava.
Esta experiência serviu para eu treinar voos mais altos.
Todos nos adoramos e, às vezes, estamos anos sem contacto.
Beijinho, meu amigo
Maria

Maria disse...

Minha Verdinha querida
Nós falámos tanto desta festa no Email que nem dei por ti aqui.
Como já te disse, foi muito bonito. Quase me senti na infância.
Para o ano, com mais tempo, conseguirei encontrar algumas peças do puzzle, sobretudo a minha irmã, as minhas meninas que, estavam a trabalhar e, algumas primas mais chegadas.
Acho que vou ter muito que procurar mas, talvez consiga.
Espero que a minha saúde, não me atraiçoe.
Abraço grande
Maria

Olinda Melo disse...

Olá, Maria

Até que enfim a encontro!Encontrei-a através do 'História de Nós'.
Não consigo chegar ao seu blogue através dos comentários que deixou no xailedeseda...

Gostei da composição deste seu puzzle e da mensagem que nos envia.

Beijo

Olinda

Maria disse...

Olá Olinda
Fiquei muito feliz com o seu comentário.
O que acontece é que mudei de Email mas, o Blogue ficou no antigo.
Ainda bem que me encontrou.
Já por aqui ando a algum tempo. É um vício que não faz mal e sabe bem.
Vou escrevendo, um pouco anárquicamente, sem estilo definido.
Escrevo o que me vem à cabeça e, já arranjei bons amigos. Entrou para este grupo.
Fico à espera de si, para mais visitas.
Beijo
Maria

Olinda Melo disse...

Obrigada, Maria, por palavras tão bonitas e também por me incluir no seu grupo de amigos.

Tem razão, é bom andar por aqui e em tão boa companhia.

Bjo

Olinda

Maria disse...

Cara Olinda
Este grupo é muito unido. Damos-nos todos muito bem.
Tenho todo o prazer em inclui-la nele.
Beijinho
Maria

Green Knight disse...

Maria agradeço o te comentário no meu blog,não consigo responder atavés dele.
Vou tentar resolver esta situação assim que puder.
bjs Maria

Histórias de Nós disse...

Querida Maria,gostei muito de ler este bocadinho da sua vida. E que bela imagem essa da família que quanto mais cresce mais se torna um intrincado puzzle!Gostei!
Bjs

Maria disse...

Histórias de nós
Gostei da sua visita.
Se repararmos bem, a nossa vida é um eterno puzzle. Há peças que perdi para sempre ,peças novas que aparecem e, tudo junto, não se chega nunca ao fim.
Mesmo incompleto, dá-me prazer juntar as peças, lembrar as que perdi e não voltarei a ver, acrescentar as novas.
Desde miúda que adoro fazer puzzles. Quanto maiores, melhor.
Obrigada, minha amiga. Acrescentou uma peça, a este puzzle de amizades
que, venho juntando, há quase três anos.
Benvinda.
Abraço
Maria

Histórias de Nós disse...

Ola queria amiga Maria!
Já tem no meu historiasdenos.blogspot.com a sua «história pedida». Tive a ousadia de inovar e fazer um dois em um: juntei ao seu desafio o da Tita que me veio acenar com um profiterole, imagine-se!E vai ver que me inspirou também de outra forma... Espero que goste.
bjs

Maria disse...

Histórias de nós. Amiga:
Gostei. Muito.
Tanto que, fiz um crépe, um café e,ouvi o Aznavour. C'est mon réve.
Obrigada, amiga.
Abraço
Maria