quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O Meu Rio


Chamaram os romanos, quando por lá andaram, Nabância ou talvez Sellium, à minha terra. Um rio por lá passava e tinha o nome de Tamarara ou Nava. Se foi o rio que deu o nome à terra, ou a terra que deu o nome ao rio, não sei, não tenho certezas a esse respeito. O facto é que a Terra se chama Tomar (de Tamarara?), o Rio se chama Nabão (de Nava ou de Nabância?).
Nasce em Ansião, pequeno regatinho, vai recebendo água pelo caminho, chega ao Agroal e recebe todo o caudal da nascente que lá existe. Aí, sim, torna-se Nabão e deixa de ser Nabinho. Corre até Tomar, ora manso e sereno, apertado entre fragas, ora saltando rápidos, ora espraiando-se pelos campos, onde se encontra a melhor hortaliça e fruta do País. Já moveu fábricas, noras, já lavou toda a roupa suja de Tomar e arredores. É lindo em todo o seu curso. Mas ao chegar a Tomar, torna-se mais bonito ainda. Ele é o espelho dos salgueiros, reflecte partes do Castelo, move a Roda, símbolo de Tomar e meu.
É este o Meu Rio. Bem perto dele nasci. Talvez porque era inverno, se ouvisse o sussurro das suas águas. Era meio-dia em ponto quando vi a luz do dia. O sino de São João batia as horas, a Nabantina tocava em frente à minha casa. Foram os primeiros sons que ouvi. Maior, corri pelas suas margens, molhei os pés no rio, andei de barco, passei vezes sem conta a velhinha ponte de madeira, só montada no verão. Sim. A mesma que alguém de mau gosto, substituiu por aquela coisa que ocupa metade do Mouchão e que é horrível. Por acaso a mesma pessoa que cortou árvores onde não devia, que substituiu as velhas pedras roladas da minha e outras ruas, por um pavimento feio e piroso. Por acaso a mesma pessoa que deixou os lindos jardins ao abandono, por acaso a mesma pessoa, que pouco se importa que a Janela da Sala do Capítulo esteja em perigo, que a Rua pé da Costa de Cima corra o risco de desabar, etc. etc. etc.
Bem. Eu só ia dizer como é lindo o meu rio. Cliquem na foto.
Se não quiserem ler o que escrevi, não leiam. Foi só a revolta da Pata Brava da Maria que me obrigou a mostrar a minha raiva. As patas bravas quando chegam a velhas, ficam rezingonas, dizem mal de tudo.
Até um dia deste e façam o favor de ser felizes.

36 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Petitá

Aguma vez havia de ser o primeiro. Foi desta. O Nabão, pois então, é a tua paixão, apesar do João? Rio sortudo. O que não admira: até os templários gostaram dele... Mas, deve estar - há quem diga deve DE estar... - orgulhoso de ser o teu adorado.

O malandro que cometeu todas as atrocidades que enumeras - e que, quiçá, ainda fez mais - tem de estar tem-te-maria, no caso vertente, Maria perante o teu escrito.

Penso que poderias dizer o nome do gajo. Era mais fácil erguer-lhe uma estátua. Que, pelo que alinhas, bem merecida é. Seria.

Qjs para tu e o que se sabe para os kacompanhas...

Osvaldo disse...

Maria;

Como já deu para perceber,... adoro rios, ribeiros e riachos. Tudo que seja água a correr, principalmente aqueles riachos selvagens que descem montanhas e vêem-se juntar às calmas águas de um rio, são colírio para os meus olhos. E claro que todos os rios são lindos, quando bem tratados e não poluídos, mas o meu Douro,... àh, o meu rio!!!

Gostei da "Crónica de um Rio", o teu rio, que tão bem explicas a parte histórica do mesmo e é possivelmente daí que deriva o nome, tanto do Rio como da Cidade de Tomar...

bjs, abraço ao João extensivo ao mano e até breve, não é?.

da Anita e Osvaldo

Maria disse...

Henriquamigo:
O autor de todas as malfeitorias, chama-se Paiva e foi presidente da Câmara. Depois foi para não sei onde e dixou lá o Corvêlo, que mais não fez do que o que o outro mandou e que continua a ser presidente. O meu anel não funcionou em Tomar.
Imagina que ele queria tirar o D. Gualdim da Praça. O homem não tem culpa. A culpa é de quem o lá pôs.
E depois ainda me criticam por dizer que tenho saudades do general Oliveira, salazarista convicto, mas tomarense dos 4 costados, que fez daquela terra um jardim. Ao fim de todos estes anos, fizeram-lhe um busto minusculo em cima dum plinto, com um bebedouro para pássaros à frente, quase tão lindo como o monumento aos empreiteiros (Patos Bravos), que é indescritivel.
Muita asneira se tem feito na minha terra.
Quanto à estátua, acho que só se fosse para fazer tiro ao alvo.
Abraços beijinhos e queijinhos.

Maria disse...

Caros Anita e Osvaldo:
Se eu fosse pássaro, era um "Guarda Rios". Amo todos os rios. Cada um tem a sua beleza.
Há alguns que são a minha paixão.
O Nabão, rio da minha terra, o Tejo, o teu maravilhoso Douro, o Sena e o Arno. E amo a ria, aquele polvo de muitos braços, que tem sobre mim, um efeito mágico.
Uma das nascentes do Nabão, a que mais água lhe dá, chama-se Agroal. Era lá, que em pequena, passavamos muitos domingos de verão, fazendo piqueniques à sombra das árvores.
Como era bom!
Abraço do João e beijinhos para os dois.

mariabesuga disse...

Eu também gosto do teu Nabão e da tua cidade de Tomar. Já refresquei os pés no Agroal e passeei por aqueles lados não muito mas o suficiente para gostar.

Eu também gosto de ti e da forma como te expressas nestes retratos dos teus lugares e nos relatos das tuas vivências nos lugares dos teus sentidos por lá teres nascido ou vivido ou passado por razão especial.
Quando traduzes por palavras para nós é sempre com a emoção de que te fazes. Por isso a rezinguisse justificada contra o tal senhor que cometeu as barbaridades de que falas. Há sempre aqui ou ali uma besta quadrada a desfazer a beleza dos lugares pela não sensibilidade.

Beijinhos minha Maria, a ti e ao teu João.

mariabesuga disse...

Faltou dizer que abri a fotografia e o meu menino pasmou de ver o rio assim ali no meio da cidade...

Laura disse...

Ah, sentemo-nos por ali, podemos enfiar os pés na água, ainda está assim um calorzinho...que bem que sabe. Não, não conheço o teu rio, é pena, , quem sabe um dia..
A Soledade envia beijinhos e agradece muito, muito o carinho que tens por ela..beijinhos d alaura

jrom disse...

Vencedora
1º lugar –84 Puntos
Título: Onde vais rio que eu canto
Intérprete: Sérgio Borges
Música: Carlos Nóbrega E Sousa
Letra: Joaquim Pedro Gonçalves
Orquestación: Joaquim Luís Gomes
Dirección de orquesta: Jorge Costa Pinto

Letra:

onde vais rio que eu canto
quero ver teu novo norte
há no cais p'ra onde vais
mãos de vida não de morte.
vai no mar barco à vela
vai de paz se abastecer
mais além...barco veleiro
flor da vida vai colher.

onde vais rio que eu canto
nova luz já te alumia
lá no cais p'ra onde vais
nasce amor dia após dia.
voa, voa ó gavião
sobre o mar do teu senhor
que no cais p'ra onde vais
não há raiva, mas amor.
vai no mar barco à vela
vai de paz se abastecer
mais além...barco veleiro
flor da vida vai colher.

onde vais rio que eu canto
nova luz já te alumia
lá no cais p'ra onde vais
nasce amor dia após dia.
onde vais rio que eu canto
nova luz já te alumia
lá no cais p'ra onde vais
nasce amor dia após dia.


beijinho Maria e muita força para as contrariedades que estás a passar

jrom

Maria disse...

Girassol, minha amiga:
A nossa terra é sempre a nossa terra. A minha para mim, é linda. Aquele rio, um dia vai guardar-me.
O teu menino gostou do rio?
Minha querida, eu gosto muito de vocês todos, das Gaeiras de que o meu pai tanto falava, de Óbidos que ele amava com a paixão que eu amo Tomar.
Aquele abraço.

Maria disse...

Laurinha querida:
Sempre viste a Soledade? Diz-me como eles estão. Eu gosto muito dela e admito-a muito.
Um dia tens de conhecer a minha terra. Vais gostar.
Beijinhos mimha nina. Dorme bem.

Maria disse...

Jrom:
Lembro bem a canção. Lembro o rapazinho madeirense, Sérgio Borges, que cantava com o "Conjunto João Paulo", também da Madeira. Lembras-te da "Milena a da Praia"?
Obrigada pela letra.
Parece que começo a ver uma luzinha ainda muito fraca, no fundo do tunel.
Beijinhos

jrom disse...

Como podia esquecer?...
Foram meus companheiros em Mafra e mais tarde reencontramo-nos no Dondo em Moçambique, onde foram actuar em 68/69.
Nessa altura já conhecia oseu repertório com muita saudade cá do burgo e das miúdas.
Bons tempos

Je Vois la Vie en Vert disse...

Querida Maria,

Hoje não vou comentar o teu post porque estou muito cansada e daqui a pouco, vou me deitar. Voltarei amanhã.
Acera do meu poema, desta vez, não vou postar os poemas no meu blog porque da outra vez, deu-me muito trabalho.
Tenho a certeza que a tua adaptação em português é linda e se eu tiver mais pessoas fazendo adaptação, colocarei o link no meu blog.
De facto, já estou com pouca disponibilidade por vários motivos e vai ser de mal em pior nos próximos dias por outros motivos ainda ...

Beijinhos

Verdinha

laura disse...

Obrigadinha ao jrom; adoro letra de canções e quando são lindas, melhor. Ainda há pouco estive com o Moa e estrelinha dalva, no chat do gmail, ah, eles cantavam e eu lia, escreviam e algumas canções eu sabia-as de cor...No filme do Kim, tem o Moa a cantar para mim a Laurindinha que eu nem conhecia, toca uma guitarra imaginária...
Assim; letras saudosas para cá, porque esta é mesmo linda, cantei-a baixinho...


Maria, a Soledade está benzinha, mas se a visses, já mais magra, e nem em conheceu por eu estar mais magra, diz que nada tenhoa ver com as fotos de Tabuaço, a gordura está a encolher, ehhhh, eu na frente dela a uns metros e ela ó xopita, xopittaaaaaaaa, e eu a acenar até que se fixou em mim, caimos num caloroso e saudoso abraço, foi triste evr o Julio como se dormisse, respirava mais ou menos, são tubos por todos os lados, enfim..ela disse quea dorou a amizade, oc arinho, adorou pois passa ali as tardes todas, e so vai para casa dormir mal come, tem a filha que anda por ali, vai dar as voltas dela e regressa...levei-lhe natinhas de Braga, muito boas, e bebemos um café fora da cantina,sentadas num muro, falamos de tudo,descrevi-lhe o passeio a Tabuaço...Andei por lá sem nunca ter ido sozinha, mas, quando se vai fazer o bem, os anjos acompanham-nos, fui e vim sem me perder...
Se fores ao Moa, tem lá a nossa foto na despedida em frente a um painel de azulejos, lindissimo..
Já deves estar a dormir, vim apenas aconchegar-te a roupa, e, vou nanar também... foi um dia e peras.adoro-te minha querida maria..ji da laura

Maria disse...

Jrom:
Pouco antes da partida deles para África, foram ao Porto a uma discoteca na rua de Santo António, assinar discos. Foi a primeira e penso que a íltima vez, que me vi no meio de cerca de cem miúdas como ei, numa fila para ter um autógafo deles. Eles chegaram, assinaram, trocaram umas palavras connosco e partiram. Foi uma algazarra de todo o tamanho. Não sei o que aconteceu ao Disco e à foto que tinha deles. Foi pena terem acabado. Ele cantava muito bem.
Bijinho

Maria disse...

Laurinha querida;
Deves estar cansada, mas muito feliz, por teres podido ajudar a nossa Soledade. Ainda bem que ela se está a aguentar bem. Deve ter ficado contente por te ver e abraçar. Aquela Mulher merece tudo, até um milagre.
Obrigada pelas notícias.
Beijinhos, flor de linho.

Maria disse...

Querida Verdinha:

Que se passa contigo? Alguma coisa me diz, que estás com algum problema. Conta, por Email se quizeres. Tu já sabes que nós temos o lema dos Mosquteiros: "Um por todos, todos por um". Não negues a nossa ajuda se precisares dela.
Beijinho grande.

Anónimo disse...

Maria, querida amiga,

Não conheço muito bem a tua cidade.
Já lá fui algumas vezes e fiquei fascinada com o que vi.
Espero que o Vasquito um dia me mostre os seus segredos e os do Nabão.
O rio é lindo e nesta altura do ano, em que as árvores se vão vestindo de vermelho e dourado, reflecte bem a exuberância da Estação.

Abraço apertado com beijo de saudade
Nemy


Laurinha, um beijo carinhoso para ti também.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Olá querida Maria,

Chose promise chose dûe !
Cá estou para ler o teu texto, por acaso bem bonito : eu imaginei-me um peixinho verde a seguir o curso do teu rio tão bem descrito e desfrutando desta beleza toda.
Como um peixinho não lê e não anda nas ruas, continuei feliz na água e não reparei nos estragos que o Homem fez à cidade.
Não te preocupa comigo, são só (!) dores, umas preocupações pequenas e alguma actividade a mais (mas que não posso deiar de ter...) que me deixam mais cansada. Só isso. Obrigada pela tua atenção.

Muitos beijinhos

Verdinha

Laura disse...

Bigada Maria, e Bigada tamb´m à tua querida nemy que se lembra de mim, mas eu também lembro dela..Enfim, uno-as no mesmo abraço sem fim..laura..

Maria, mesmo que haja um milagre, ele ficará sem ver, e, muito, muito limitado, e até chegar lá, vai levar tempo, Só espero que a nssa nina se aguente, porque ela já só pesa 43 kilos...por aí...Deus dá força a quem precisa...jinho meu. laura

Maria disse...

Nemy querida:
Por onde tens andado? Já tinha perguntado ao Vasco se sabia de ti.
Como está a tua mãe e a Ílidia? Espero que melhorzinhas.
Tens de ir a Tomar com o Vasco ou comigo. A minha terra é linda.
A Laurinha também manda beijinhos.
Aparece, minha amiga. Tenho saudades tuas.
Um abraço grande e beijinhos.

Maria disse...

Verdinha querida:
Espero que tudo esteja bem contigo.
É amiga, a minha terra é linda e o rio é uma maravilha. Quando era pequenita, queria ser um peixinho e andar pelo rio.
Beijinhos amiga e as tuas melhoras.

Maria disse...

Laurinha, minha amiga:
Coitado do Júlio! Deve ser tão triste ser cego. E ela vai ter que ser os olhos dele. Ela é forte de espitito, uma grande mulher. Vai vencer tudo e nós vamos ajudar, no que pudermos.
Beijinhos minha flor de linho.

Laura disse...

Vamos a ver o que vai ser minha querida Maria, falamos imenso em ti, para ela saber qual Maria eras pois há por aqui Marias a mais, ehhhhhh, assim expliquei-lhe que o teu mail é tal e tal e ela entendeu.quanto a ela ser os olhos dele, bem, Deus o dirá.. Beijinhos da tua flor

Alfredo M B Caiano Silvestre disse...

Olá Maria.
Gostei do teu texto.

Um beijo.

Maria disse...

Olá Alfredo,
Obrigada. Tive saudades do meu rio e o resto veio atrás.
Que bom ter notícias tuas. Como estás? Espero que as coisas tenham melhorado para ti, meu amigo.
Isto por cá, também tem sido complicado. Doenças, chatices, coisas complicadas. Parece que está a melhorar, mas na terça-feira, o meu irmão vai ser operado de novo. Tudo vai correr bem, espero.
Dá notícias, por favor.
Beijinhhos

Laura disse...

Maria, voltei aos cházinhos de camomila e alecrim, precisas para adormeceres melhor, é que andas num pé de vento que tudo mexe contigo. Calma amiga, muita calma, a vida serve-nos de tudo e, há que saber surpreender pela positiva, pensando que tudo correrá pelo melhor..Beijinhos,a conchego-te os lençóis com aquele cheirinho a alfazema, laura

Laura disse...

Acordaaaa, dorminhoca. Laurinha tentanto tirar a Maria do vale dos lençóis, e ela, resmungando, se virava para outro lado, estava sentada com os pés na água do seu Nabão, o seu rio, o rio que amava desde que se tornou num pedacinho de gente, o rio que passou a amar, porque ele era para ela, como o seu respirar...e, no sonho ela estava sentada, pés dentro dele, enquanto os peixinhos, delicados lhe faziam cóceguinhas, e foi aí que ela acordou, com as cóceguinhas da nina das resteas, enquanto lhe trazia um cházinho fumegante...Maria, Maria, a vida chama por ti, reclama a tua presença, o João quer o café, os amigos querem net e comentários, o ãoão refila pla ração, vá lá Maria, ânimo, é que é outro dia, outro dia para viver ou tentar viver, enquanto houver alento no coração!...
Maria levanta-se, um sorriso ilumina-lhe o rosto, não é que está a ver o Nabão, a passar junto da sua janela?...

Maria disse...

Querida Laurinha:

Obrigada pelo chá. Já começa a estar frio à noite.
Não ta preocupes que isto passa. Já esteve pior.
Espero que tenhas descansado bem.
Beijinhos nina

Laura disse...

Não me preocupo? ah, isso sim, ficaria sem saber se o meu cházito fez efeito...
Já te disse e, repito; não sofras por antecipação, dói mais, magoa mais e por vezes nem era preciso esse sofrer. Aguarda pelos momentos que quando chegarem, aí sim, dói que se farta, mas, entretanto, não sofras mMria, olha à tua volta e tenta ver as vistas do teu nabão, sereno, até alcançar o mar, e só quando lá chegar,saberá o que lhe falta ainda, saber!...
Adoro-te, e nem sei d eonde vistes, de onde saíste, ah, penso que foi do blogue do Kim, que pesquei na Parisiense e a parisiense é amiga de uma maninha minha, amiga dela também ehhhhhh. O bom é que nada é por acaso, e, bistes, bistes? já só faltam uns diazitos que passam a voar e eu a escolher o meu guarda roupa para levar, ahhhh, ainda vou afzer a minha jaelca a saia o que for...mas, dá tempo..adoro-te, a tua flor de linho, laurat

Maria disse...

Laurinha querida:

Eu tento não sofrer por antecipação e não consigo. Sofro antes, na altura e depois. É sempre assim. Quando tenho um problema, (e neste momento são tantos que nem calculas), não consigo parar de pensar neles. Volto-me para o passado, tento ler, tento ver um filme e, os malvados estão lá atrás a dar-me cabo da cabeça. Adormeço e sonho com eles. Acordo a chamar o meu marido, outras é ele que me acorda, porque falo, choro e grito, a dormir. Acordo cansada de labutar toda a noite no mesmo. Já não sei se hei-de dormir ou estar a cordada. Se Deus quiser, na terça-feira, depois de o meu irmão ser operado e o vir melhor, a minha cabeça vai acalmar.
Depois, vou ver se vou a Tomar. Costuma fazer-me bem. Fico num hotel perto da casa onde nasci, ouço de novo os sinos da minha Igreja, vejo o meu Rio, respiro o ar da Quinta dos Sete Montes e trago uma reserva de forças para um tempo. Até lá não consigo reagir.
Continua a trazer o cházinho, minha Flor.
Beijinho

Laura disse...

Estou com a estrelinha dalva, já jogamos às cartas, a outro jogo, ela ensina-me e lá vou, agora estou a fazer de psicóloga, a nossa nina sente-se triste e, há que lhe levantar o moral...
Bom, enquanto ela escreve, trouxe-te o cházinho de erva principe, maravilhoso, sente o aroma a espalhar-se pelo quarto...tá quentinho, bebe,bebe, que frio não presta, e, sem dares conta meti um comprimidito de calmancia e, vais nanar a noite toda, palavra de laura...
Maria, cai devagarinho naquele torpor e, enrola-se nos lençóis, adormeceu, e só acordará amanhã, relaxada e feliz..Boa Noite maria...dorme bem, laura

Laura disse...

Eu sei que é sábado, eu sei que ainda por cima é um dia em que temos de ir às flores e ao cemitério, e voltamos aos amargores. Pese a quem pese, é um dia como todos, foi escolhido para lembrar quem se foi, quiçá para obrigar aqueles que nunca se lembram durante um ano, de ir visitar o tumulo dos seus finados...

Deixo aqui meu carinhoso abraço, no enlaço de fraternidade, a ti e a todos os que te visitam, pelas suas perdas e pela sua saudade, avivada pela memória dos que se foram, e são lembrados, hoje, mais uma vez...Há aqui amigos que te visitam e assim; para eles, um dia em que a lembrança seja doce, no arrimo dos dias que se foram!...

Não sei se dormiste, mas, pelo soporifero que te dei, acredito que ainda ressonas... Beijinho, logo vou à terra onde estão os meus, uma h e um quarto para cada lado, mas, o pai está lá, a avó laurinha e o avô manuel, as tias queridas e tios e assim...há uma subida ingreme, a pé, com as flores... e a tua flor d elinho, devagar, sobe, suspira, e o passo torna-se mais encolhido...a saudade, pesa...laura

Maria disse...

Querida Laurinha:
Dormi mais ou menos. O pior são os pesadelos.
Como não vou ao cemitério, vou ficar em casa.
O meu pai quis ser cremado, por isso não há campa. A minha mãe e os meus sogros, vou lá nos dias de aniversário deles e no dia da morte. Nestes dias não gosto de ir a cemitérios. É muita gente, muita confusão. Eu acho que se devem tratar bem as pessoas, emquanto cá estão. Depois, penso que o que resta é só matéria e as almas deles não estão lá. Estão aqui ao pé de mim, nas minhas lembranças, no amor que lhes tenho ainda.
Fujo de ir a cemitérios. Fazem-me muita confusão. Um cemitério de terra mais pequena, chega a ser comovente, pela sua simplicidade. Mas os daqui, revoltam-me por ver o luxo e a ostentação dos jazigos. Há alguns, onde a casa da minha empregada cabia 4 vezes. Para quê tanto, para guardar apenas ossos? Desculpa se te estou a chocar, mas é o que penso.
Se tu visses as verdadeiras mansões que os mortos habitam no Alto de São João! E ao lado do cemitério há casas de gente viva, que de casa só têm o nome.
Por isso, minha nina, não vou lá. Aqui na minha casa, com os seus retratos por todo o lado, penso neles.
Que se passa com a Estrelinha? Essa menina é uma sensitiva.
Beijinhos para ela e para ti.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Posso falar da morte (minha) sem medo e costumo dizer que não quero ser cremada (tenho medo do fogo e prefiro que o meu corpo siga o curso natural das coisas), que quero um caixão muito barato, podem ser tábuas de pinho mas quero o meu caixão coberto de raminhos de flores e não coroas que acho sinistras, quero que cantem no meu funeral tal como o fiz durante toda a minha vida e gostava imenso de ter um campa num relvado com uma simples cruz branca com o meu nome como os cimetérios americanos. O meu corpo ficaria a descansar no meio dos outros numa harmonia sem diferença, todos iguais, num sítio de verdura e tranquilidade.
Alguém sabe se existe um sítio assim em Portugal ?

Alguns vão dizer "Credo". Porque não podemos falar do que desejamos no nosso último dia na terra se todos vamos morrer ?

Sobre este assunto que me deixa serena, vou deitar-me e ninguém sabe se vou acordar... ;D lol

Seria a melhor maneira de morrer mas acho que ainda sou nova demais para ir embora e talvez ainda seja precisa neste mundo mas só Deus é que sabe !

Beijinhos, minha querida

Verdinha

Maria disse...

Querida Verdinha:

Não tenho medo da morte, nem de falar dela. Costumo brincar a dizer como deve ser o meu funeral.
Discordo de ti. Quero ser cremada. O fogo purifica. As flores quero-as agora. Só quero levar comigo, as cartas do meu marido, "Os Maias", um macito de Gauloises e uma pilha. O caixão para cremar, é modelo único, simples e sem metais.
Gostava que me cantassem "La chanson des vieux amants", "La Boéme" de Aznavour e me tocasem a "Primavera" de Vivaldi, ou a "Canção a Solveig" de Grieg. Não quero choro. Lembrem as histórias e a amizade da Maria.
Vês? pode-se falar da nossa morte sem tristeza. Porque ela é a única certeza que temos.
Acho que já há desses cemitérios que falas, sim. Penso que em Almada.
Beijinhos