quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Cem anos Pai


Entre estas duas fotografias medeiam 89 anos. Na primeira és um bebé com um ano, na segunda um velhinho com 90.
Em ambas a mesma expressão feliz. Foste, ou tentaste sê-lo sempre.
A vida não foi fácil. Perdeste o teu Pai muito novinho, tiveste que trabalhar cedo, perdeste dois irmãos novos, ficaste sem a nossa mãe, o teu grande amor, uma filha, a Avó e mais irmãos, mas sempre reagiste a tudo.
Nascido em Alcobaça faz hoje cem anos, foi Óbidos a terra da tua infância feliz. Depois as Caldas, de onde vieste para Lisboa, após a morte do Avô. Um dia, em visita a umas primas em Ovar, encontraste aquela que foi o teu grande amor, a nossa Mãe.
Após um namoro longo e quase sempre por carta, veio o casamento, a ida para Tomar, os filhos. Foste muito feliz lá, não foste, Pai? Éramos muito felizes então. A saída de Tomar para o Porto custou-te muito. Deixavas para trás os teus amigos, as paródias, anos de vida. Mas chegaste ao Porto e em pouco tempo, tinhas novos amigos e eras feliz de novo.
Depois os filhos foram vindo para Lisboa e nasceram netos. E tu vieste atrás de nós. Afinal estava cá toda a família. A morte da Mãe desesperou-te, mas mais uma vez, conseguiste refazer a tua vida.
Tínhamos pensado, ou melhor, a ideia foi do meu irmão, fazer hoje uma grande reunião de filhos, netos e bisnetos. Ele adoeceu e ficámos sem pernas para andar.
A tua prenda, Pai, é que o teu filho, o teu orgulho, está a recuperar.
A reunião há-de fazer-se qualquer dia.
Todos beberemos um copo no sítio em que estivermos. Darei aos meus irmãos aquele último beijo que me deste, porque eu estava ao pé de ti, mas que era para os três. Lembraremos as tuas historias, o teu carinho, as tuas fúrias horríveis. Falaremos do amor lindo entre ti e a nossa Mãe. Talvez uma lagriminha teimosa caia dos nossos olhos. Mas faremos os possíveis para nos sentirmos felizes, porque era isso que tu querias, meu Pai, minha Saudade imensa.
Tinha muita coisa para te contar. Mas há coisas tristes que não te direi hoje. Fica para outro dia.
Um beijo da tua “fila”, que te irá amar até ao fim.
Nós, até um dia destes e façam o favor de ser felizes. Ele foi, enquanto pode.

41 comentários:

Corvo disse...

Maga,

Já sabia mais ou menos que fotografias ias publicar, mas estas foram mesmo bem escolhidas. A mesma expressão em menino e em velhinho.
Por muito que nos tenha custado a partida dele, temos de tentar fazer como ele que, como dizes, também teve muitos e grandes desgostos, e andou sempre para a frente. Soube hoje da irmã. Já não tem febre, e a diabetes está estável. Estava, há momentos, sentadinha à mesa.
Beijos para os dois.
Amanhã, se puder, vou a S. Domingos, à Ginginha. Depois bebo um tintol cá em casa.
Até sempre!

Maria disse...

Filho:

Estiveste à espera da meia noite, para seres o 1º.
Tu, que melhor que ninguém sabes a falta que Ele me faz. Que nos faz a todos.
Só tu para me dares hoje notícias da minha madrinha, a última dos seis. Obrigada, meu filho.
Vai beber a ginjinha que ele te apresentou. Ele ia gostar.
Conheceste-o bem. Foste o seu último confidente dele. Foi teu um dos últimos beijos. Faz como eu. Dá-o aos teus irmãos, primos e sobrinhos.
Não te peço que não o esqueças. Era ofender-te. Lembra-te do que dizes: Atravez de todas as coisas más, ele tentou sempre ser feliz.
Essa é a melhor homenagem que lhe fazes. Faz por ser feliz.
Sabes que estou triste, mas vou tentar só pensar nas coisas boas que com ele passei.
Beijos filho. Muitos.
Mãe

Anónimo disse...

Maria, querida amiga,

Hoje quero dar-te um abraço inteiro, bem apertado e amigo, daqueles que o teu Pai tão bem sabia dar.
Saudades e um beijo carinhoso

Nemy

Corvo disse...

Sim, faz por te lembrares das partes boas. Ele não iria gostar que estivesses triste. Hoje, é natural que sintas mais a falta do teu pai, mas passado este dia, não te martirizes mais. Acho que sabes ao que me estou a referir.

Dois beijos na cara, um na testa e outro nas costas da mão.
O filo.

Corvo disse...

Aproveito para deixar também um beijo para ti, Nemy.
Hoje, também o teu pai fazia anos.
Beijo do Vasco. Logo telefono.

Maria disse...

Nemy, minha Rosa Chá:
O teu abraço soube-me bem.
No meio de todos os problemas, de todas as tristezas, apesar das saudades cada vez maiores que tenho dele, hoje é um dia festivo.
Sem ele, eu não tinha nascido, nem tido o pai maravilhoso que tive.
O meu amor por ele continua igual.
Será sempre o meu pai querido, o meu orgulho, a minha eterna paixão.
Às vezes falo com ele como se estivesse ao meu lado. Chego a ouvir-lhe a voz, a sentir os seus beijos. Faz-me tanta falta, amiga!
Foram muitos anos de amor e cumplicidade e ficou tanto para dizer.
A ti, que o conheceste bem, retribuo o abraço, um abraço longo e terno, como ele sabia dar.

Maria disse...

Nemi:
Abraço grande pelo aniversário do teu pai. Já viste a coincidência? Os dois no mesmo dia. Beijinhos, amiga e um grande abraço para ti pelo teu pai, a quem amaste como eu amei o meu,

Maria disse...

Filho:
Era assim que ele me beijava, sim.
Esses beijos vindos de ti, foram iguais. Senti-os.
Saudades dele, tantas.
Pedes que não me mertirize. Não sei se posso. Estes dias até dia 20, aquele em que os dois recebemos os seus últimos beijos e olhares de Adeus, são sempre maus. Este ano, com tudo o que se está a passar, não sei se não serão piores. Vou tentar fazer-te a vontade, mas não posso prometer nada.
Beijos para ti. Sei que também tu lhe sentes muito a falta.
Mãe

Anónimo disse...

Corvo amigo,

Obrigada pelo carinho, pela amizade, por permitires que faça parte da tua vida. Obrigada por te lembrares do meu Pai.

Saudades
Nemy

Anónimo disse...

Maria,

O Corvo tem razão. Não te martirizes. O teu Pai continua bem vivo dentro de ti e do coração de todos os que com ele viveram e conviveram. Era um homem muito bem disposto, e é assim que devemos comemorar o seu 100º aniversário. Com alegria e boa disposição.
Obrigada pelo teu abraço, neste dia, que é também o dia do meu Pai.
Beijinho amigo
Nemy

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Mariamiguinhazita

Que belo texto! Repito: que belo texto!!!

E o teu Pai merece-o, tenho a certeza absoluta.

Quando se evoca uma pessoa e se lhe tecem comentários altamente elogiativos, normalmente hipócritas e falsos, eu costumo dizer que isso «lhe há-de valer muito..., ao falecido, claro» E o visado, empoleirado onde quer que seja, rir-se-á desbragadanente.

A prática da elegia post mortem é tão má como a das carpideiras encomendadas. Mas, infelizmente, existem e com a nossa maneira de ser, dita poética, vão subsistir até não sei bem onde.

Sobretudo os discursos. A oratória saudosista confunde-se com a recordação de estranhos feitos e cometimentos, o que lhe confere uma «aura» muito peculiar. Uma porra!!!

Mas, tu, Maria, escreveste esta magnífica peça de tal forma que eu, que sou um empedernido militante, ou pior..., me senti tocado, impressionado, até comovido.

Porque tu, querida Amiga, escreveste-a com o coração. Sem necessidade de recurso a teclados, esferográficas, lápis, remingtons ou penas de pato. Com o coração - e ponto.

Estou, uma vez mais, contigo. E com o bando dos quatro. Oxalá o nosso Appio continue a dar passinhos, que um destes dias serão passadas e depois passarões. Digo, passões, óbvio.

Por conseguinte, abs ao gangue e, para tu - qjs.

Escusado será dizer-te que a Raquel tem sabido, 'tralmente, deste nosso derriço, mas, mesmo assim, também me acompanha nas remessas amigas e diversas.

Maria disse...

Henriquamigo:
O meu pai também era avesso a discursos fúnebres e a grandes elogios a mortos. Costumava dizer que depois de morto, até um sacana era santo. Daí, eu falar pouco das suas qualidades (que eram muitas) e defeitos (que também os tinha, felizmente). Limitei-me a citar os factos mais importantes da vida dele. Ele era assim. Alegre, bon-vivant, aproveitando a vida ao máximo. Bom pai, meigo, umas vezes, duro, outras. Brinacalhão, quase sempre, com fúrias de fugir, outras.
Sabes? Não consigo ver as pessoas de quem gosto muito, diferentes depois de mortas. Acho que é traí-las.
Obrigada pelo teu comentário.
Hoje vou ver o mano e dou-lhe o teu recado.
Abraços do gangue, beijinhos para a Raquel e queijinhos muito fresquinhos para tim (esta aprendi com a minha empregada).

Osvaldo disse...

Maria;
Depois de ler esta bela crónica dedicada ao teu pai, a minha primeira reaçâo foi de escrever palavras de consolo, mas depois disse para mim mesmo;... Para um homem desta tempera, deste viver, deste exemplo, só se pode recordar com alegria. Se estivessemos aí contigo e com o João, abririamos uma boa garrafa do melhor champagne para comemorarmos os bons exemplos que ele espalhou na sua passagem por cá.

Parabéns Maria por toda esta paixão que sempre demonstra da tua familia.

bjs e um abraço para o João e boa continuação de recuperação para o mano.
da Ana e Osvaldo

mariabesuga disse...

Se até dos meus olhos se atreveu uma lagrimita teimosa!!! Pelos teus sentidos, Maria... pelo Amor pelo teu pai... pelo meu Anor pelo meu e pelas saudades...

Olha vais ver que lá onde quer que estejam encontraram-se e a esta hora está o meu pai a contar ao teu umas daquelas estórias de mentira que ele tanto gostava de contar. O teu há-de estar ouvindo sem saber muito bem o que pensar mas acreditando porque sempre foram estórias de acreditar.

Um beijo e aquele nosso abraço por mais uma muito boa razão. Se fores, quando fores, ao meu blog perceberás porquê.

Faz-te Feliz Maria, minha querida Maria.
Adorei a cumplicidade dos comentários do teu Corvo. Liiindo esse teu menino!!!...

Maria disse...

Caros Anita e Osvaldo:

Tinhamos feito projectos de festejar os 100 anos do Pai, como se ele cá estivesse. A doença do meu irmão impediu que o fizessemos agora. Assim que tudo esteja bem, escolheremos um dia e será devidamente festejado.
O meu irmão está um pouquinho melhor. Obrigada pelo vosso interesse. Tem-me ajudado muito.
Abraço do João e beijinhos para os dois.

Maria disse...

Querida Girassol:
Vê o que são as coisas. Achei muito giro os vossos meninos fazerem anos no mesmo dia e calhar nos anos do meu Pai.
Olha amiga, pelo que contas do teu Pai, acho que ele o o meu, se iriam dar bem. Sabemos lá nós, se neste momento, não estarão contado historias um ao outro, à frente de um copito e um petisco (talvez umas perdizinhas de escabeche, quem sabe?) Vês? Não custa sonhar.
Dia feliz para os meninos.
Eu já estive com os meus irmãos, já falei com os filhos. O meu Corvo é assim. Conhece-me como poucas pessoas.
Parabéns para eles e para vós e um milhão de beijinhos para todos, mais aquele abraço.

carla mar disse...

Querida Maria:

um beijo enorme dos 4.

c

Je Vois la Vie en Vert disse...

Querida Maria,

Falas do teu pai dizendo "como estivesse ao meu lado". Ele está ao teu lado. Escuta o que ele está a dizer-te :
"Estou à vossa espera. Não estou longe, somente do outro lado do caminho. Vejam, está tudo bem !"

Ele está muito feliz com a homenagem que lhe fizeste mas também está triste por ver a filha abatida.
Endireita-te, sorri, canta, fecha os olhos e verás o sorriso dele.

beijinhos, minha amiga

Verdinha

Maria disse...

Querida Carlinha:
Foi bom receber os vossos 4 beijinhos, que retribuo com outros 4 cheios de amizade.

Anónimo disse...

Está na hora do copo!!!!!!!!!!

Já tenho aqui um tintol e um queijo alentejante curado (já não está doente), para comemorar.

Corvo

Maria disse...

Querida Verdinha:

Se alguma vez, em algum lugar o tornar a ver, será a maior festa do mundo. Contar-lhe-hei todas as coisas que não viu, saberá até, que tenho muitos amigos e que uma delas se chama Verdinha e é um encanto de meiguice. Direi, que numa coisa chamada Internet, encontrei pessoas boas amigas, que me ajudaram numa altura má da minha vida. Como ele vai ficar espantado, mas feliz.
Obrigada minha querida Verdinha.
Beijinho grande.

Kim disse...

Maria, o teu pai é um homem de rija têmpera, logo vai ser assim até ao fim. As àrvores morrem de pé e tu tens a sorte de ter ainda a sombra dessa árvore.
Só por isso alegra-te que o amanhã é uma incógnita.
Com o teu irmão a melhorar e o pai a aniversariar, muitos motivos há para que a Petite Marie solte enfim o sorriso tão afastado das lides.
Um beijinho menina!

Maria disse...

Filho:
Bebi o copo sem queijo.
Por todos nós e pela sorte de o termos tido. Bebi por mim e pelo pai, que hoje não pode.
Vale a intenção.
Beijinhos da
Mãe.

Maria disse...

Kim:
Infelizmente para mim já não tenho a sua sombra protectora. Há oito anos partiu, levando uma parte enorme do meu coração.
Nós é que temos a tradição de festejar os aniversários dos nossos mortos. Achamos que continuam a ser dias felizes, porque eles nasceram e os tivemos.
Para mim ele continua vivo, nos filhos, nos netos e nos bisnetos.
Em cada um de nós há algo dele, que faz com que estando morto, viva ainda. E eu, particularmenete, sinto-o em todos os momentos bons e maus.
Beijinhos meu amigo e que conserves o teu muito tempo ao pé de ti.

Laura disse...

Os Bons Pais ficam na nossa alma eternamente... e ninguém no-los tirará...Os Bons Pais são a nossa continuação de vida, e o amor que eles nos deram, passamo-los aos nossos filhos...e eles sentem-se felizes como nós seremos, amanhã, sabemos que a saudade imensa vai tocar neles, também, mas, é a lei d avida, e depois, mais tarde,e staremos todos juntos, unidos naquele amor de sempre, feito de paz e d eLUZ!...Beijinhos e ainda não tenho pc..comprei o teclado, mas agora há outra poparte estragada e não s epode programar ainda, fraca sorte...laura..

Ah, li o Osvaldo e, tchim tchim com o melhor champanhe franciu...para mim do doux ó Osvaldo, sempre, doux...o mais saboroso..laura

Maria disse...

Laurinha querida:
Nestes dias de doenças, problemas, chatices, Ele tem sido o meu refúgio, o meu amparo, o meu confidente.
Queria tê-lo aqui, encostar-me ao seu peito, sentir as suas mãos no meu rosto e olhando-me nos olhos, dizer: Vai passar, filha, vai passar. Agora fecho os olhos e procuro tudo isso. E penso: Vai passar, tudo vai passar e parece-me ouvir a sua voz doce e calma.
Mas sinto tanto a falta física dos seus braços, das suas mãos!
É a vida, eu sei. E tive a sorte de o ter comigo até aos 92 anos.
Ficaram as lembranças e a saudade do tempo em que menina, me sentava ao seu colo e o mundo era belo.
Beijinhos e obrigada, flor de linho.
PS. Também prefiro o doux, ma chérie.

mariabesuga disse...

Maria
Booom dia minha querida.
Dia sossegado te desejo daqui.
Beijinhos e o nosso abraço.

Maria disse...

Bom dia amigos:
Para vós e espero que para mim. Hoje vai ser um dia cheio. Vou com o João, ao Brith Hospital fazer uma data de Ecos. Espero que tudo corra bem.
Esta má época não há meio de passar. Estou com os nervos num feixe e não dormi bem. Tenho os olhos muito inchados, Acho que chorei a dormir. Espero vir de lá mais calma.
Beijinhos para os dois.

Anónimo disse...

Maria,

Tudo vai correr bem.
Beijinho amigo e carinhoso para os dois
Nemy

PS- Ontem às 21.00 juntei-me a Vós com um licor dos Beneditinos de Singeverga.

Maria disse...

Nemi querida:
Só tu, minha amiga, para te lembrares disso.
Obrigada e muitos beijinhos.

pico minha ilha disse...

Um beijinho grande Maria.Estes dias são para lembrar sempre

Estrela d'Alva disse...

Maria,

Mais uma vez te peço desculpa, por só conseguir deixar um beijinho...

Porque a Vida não é fácil, porque não consigo escrever, porque ando triste... até porque não consigo encontrar as respostas para as minhas perguntas. Assim, Desculpa

Deixo-te simplesmente o que sei fazer muito bem, um grande beijinho e um abraço apertado e comovido!
Estrela d'Alva

Maria disse...

Salomé amiga:
A festa não foi como sonhámos. Era para nos termos juntado todos, num almoço ou jantar, como se ele cá estivesse. Limitámo-nos a um copinho e a lembrá-lo.
Beijinhos e bom fim de semana.

Maria disse...

A minha Estrelinha anda triste e cheia de perguntas sem resposta. É próprio da idade, pequenina. Também me acontecia muito e ainda acontece. Umastêm resposta, outras, acabamos por esquecer, algumas, fazêmo-las toda a vida e nunca encontramos a resposta certa.
Bastam os teus beijinhos, Estrelinha.
Obrigada por eles e muitos para ti, cheios de ternura.

Laura disse...

Maria, ontem, lembrei-me dele, dos momentos ternos que tinhamos, e de dançar, enquanto ele me levava pela musica que eu nem ouvia, assim, aprendi a dançar nos seus braços, os braços que me guiaram pela vida...e hoje ao almoço falei nele à mesa, com a Neide, lembrando a sua ternura e o protector que era, de todos, querendo deixar-nos prontos a levar a vida, caso nos faltasse...beijinhos e tem lá calma, as dores d avida batem-nos tantas vezes à porta que nem sei...parece que já abrimos a porta a medo...mas, é a vida e o que ela tem de ser...Beijinhos e abraços ternurentos da tua flor de linho...

Maria disse...

Laurinha querida:
Todos os dias me lembro do meu pai.
Dou comigo a pensar, que tenho imensas coisas para lhe dizer quando o for ver. Esqueço-me que ele já cá não está. Depois lembro-me e, lá vem a falta enorme que me faz e as saudades.
Ando mandriona, nervosa, cansada de tanto sofrimento meu e do mundo.
Isto há-de passar. Logo que o meu irmão melhorar e o João for ao médico mostrar os exames, vai passar quase tudo.
Viste o poema lindo da Soledade? Aquela nina é formidavel!
Tu também és formidavel.
A Verdinha é uma doçura.
A Estrelinha é um Anjo.
E todos, Kim, Ana e Osvaldo, a Girassol e o Pintor, a nina do Pico, muitos mais, a minha Nemi, tão terna, tão amiga. Vocês têem-me dado um amparo enorme e inesquecive.
Adoro-vos a todos, meus queridos.
Beijinhos para todos e para ti Flor de Linho.

Laura disse...

Que graça querida Maria, o Osvaldo falou comigo há pouco e falamos em todos os amigos de quem gostamos, aqui...e hum...ahhhhhhhh..todos nos ajudamos da melhor forma que sabemos, em amor, carinho e desejos de tudo de bom para os amigos, ora pois, de que serviriam eles se não para nos dar força e vontade de lutar?...
Forças nina Maria, força e luta, pois a vida sem isso é uma grande pasmaceira...beijinhos meus, laura

Maria disse...

Querida Laurinha:
Sem luta a vida perde a graça, mas com luta a mais também não tem graça nenhuma. Há alturas que temos de lutar por todos os lados e cansa. Neste momento, estou cansada. Parece que só há coisas más a acontecer. Mas vai passar, eu sei que vai passar.
Beijinhos nina.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Querida Maria,

Andas mandriona ? É o teu corpo que está cansado e te diz para não fazer as coisas e obedece ao teu corpo! Uma casa nunca ficou prejudicada por ter pó, pelo contrário : fica uma camada para proteger os móveis ! :D

Querida amiga, posso te dar um conselho ?
Sei que estás a passar por um periodo muito difícil para ti e que é fácil para mim falar sem estar face a estas situações, mas tens que fazer um esforço mental para o teu corpo não carregar com todos os problemas, até com os do mundo, porque ele sofre sem por isso ajudar os outros.

Há algum tempo, coloquei uma publicação sobre o que nos diz o nosso corpo. Se quiseres copiar este link, talvez possa ajudar-te um pouco :

http://jevoislavieenvert2.blogspot.com/2008/06/notre-corps-parle-o-nosso-corpo-fala.html

Muitos beijinhos da

Verdinha

Anónimo disse...

Para datas sou mesmo uma desgraça, mas deste dia lembro-me sempre. O aniversário do Avô que durante muitos anos conseguia juntar toda a família em casa dele. Parecia quase o metro em hora de ponta de tão cheia que a casa ficava, pois ninguém queria faltar. Além de ver o meu avô sabia que ia ver os meus tios, tios-avôs, os primos em 1º, 2º e 3º graus... Mas muita coisa me faz lembrar o Avô, desde as engenhocas às partidas que ele pregava. Sempre bem disposto e simpático. O bisneto também se lembra dele e até a família da tua nora que só o viu uma vez já fez 14 anos e ainda me fala do meu Avô. Que orgulho tenho dele!
Beijinhos para ti e para o Pai,
João

Maria disse...

Filho:
Tu tens orgulho nele e ele orgulhava-se do seu neto e afilhado.
O dia do teu casamento foi das últimas vezes que o vi muito feliz.
O nascimento dos bisnetos foi o sonho dele, realizado. Adorava netos, incluindo a tua mulher e bisnetos, como adorava os filhos e o teu pai. Conseguiu apesar de todos os azares e desgostos ser feliz, quase até ao fim.
Devemos tentar imitá-lo. Devemos-lhe isso.
Beijinhos para os três dos pais e avós.