quarta-feira, 5 de novembro de 2008

“Aracnofobia”


Aracnofobia é a forma bonita e erudita de chamar ao: medo, pavor, pânico, repugnância, miaúfa, das aranhas. Ora, o protector de todos os animais, sofre disto. O mais pequenino aranhiço, provoca-lhe, autênticos ataques de nervos.
Cá em casa não há disso. Quando alguma se atreve a fazer a sua teia nalgum canto, logo é exterminada. Cabe dizer que, eu tenho pena. Acho as aranhas horrorosas mas, a sua teia é das coisas mais perfeitas que já vi.
Um dia, em Lagos, onde estávamos acampados, tratei do pequeno almoço, pus a mesa, sentámo-nos e... a minha filha, ainda pequenina, disse muito calma e doce: “Paizinho, tens uma aranha na cabeça”. Convém dizer que, ela adorava pregar partidas. O pai riu-se e, ela voltou: “Paizinho, é verdade, tens uma aranha na cabeça”. O pai, começou a desconfiar, levou a mão ao cabelo e, saltou uma enorme aranha, gorda e peluda. Saltou a aranha, saltou a mesa, tudo o que estava em cima voou e, aterrou no chão de terra. Ele foi a correr aos balneários, despiu-se, tomou diversos banhos, exigiu roupa, sem aranhas e, fez-me esvaziar a tenda, sacudir colchões e sacos cama, ver toda a roupa de vestir. Isto tudo era acompanhado das gargalhadas dos filhos, dos meus protestos e, do pavor genuíno, dele.
Depois, fomos tomar o pequeno almoço ao Bar do Parque.
Moral da história: Até os mais acérrimos defensores dos animais, têm medo de algum.
Agora, olhem para a teia de aranha da fotografia. Não é uma maravilha? Eu acho.
Até um dia destes.

8 comentários:

Vasco disse...

Essas teias de aranha parecem-me artísticas. Têm simetria, se repararmos com atenção!

Por acaso, cá em casa não existem muitas aranhas, mas para evitar as teias, evito ter aranhas em casa. Para tal, apanho-as, ou com a mão, ou com um papel, ou ainda pegando pela teia e vão porta fora. Até tenho pena em as desalojar, mas tem de ser. Só se fôr um aranhão grande, é que o chinelo ou a revista tem de intervir.

O bicho que mais nojo e repugnância me "mete" é, sem dúvida a barata. Odeio baratas. São nojentas e resistem a quasi tudo. Já tenho visto baratas com cerca de 6 centímetros - não na minha casa - que, para as matar, tem de ser com uma coisa muito rija e com força. Brrrrrrrrrrrrr!!!!!

Kim disse...

A grande maioria dos animais tem um sentido muito apurado de construção do seu próprio lar. O da aranha é espantoso porque a teia é ao mesmo tempo a sua residência e o seu local de trabalho, já que é aí que ganha o pão de cada dia.
O animal que verdadeiramente me repugna é a cobra. Todos os outros não me impressionam.
Às vezes - até ando às aranhas ... com o mundo!
Beijinho petite Marie!

Anónimo disse...

Vasco:
Não acho as aranhas bonitas e, como sabes, não moram cá em casa. Mas que, são animais que admiro, são. Fazem um trabalho admirável nas suas teias.
Alguma vez viste uma teia ao microscópio? Eu vi. É de uma perfeição impressionante.
Quanto às baratas, também não gosto delas. Enojam-me.
Beijo.
Maria

Anónimo disse...

Kim:
É verdade que, todos os animais fazem as suas casas, com mais ou menos cuidado. Gosto de ver os pássaros, acartarem palha, troncos, pedaços de lama, pequenos pedaços de trapo, folhas, para no fim, forrarem os ninhos com as próprias penas, tornando-o um lugar quente e confortável, para os seus filhotes.
Mas a aranha, tece uma casa de renda, bela, resistente, que lhe serve para tudo, como dizes. Tenho imensa pena, quando tenho que as destruir.
Quanto a andar às aranhas, acho que, andamos todos.
Beijinho, amigo Kim.
Maria

carla mar disse...

Querida, Maria:

Não gosto de aranhas. Nem de teias.
Baratas, também não!

... mas, gosto(muito!), de vir ao teu cantinho, ler-te :)

Beijo meu

Anónimo disse...

Carla:
Em casa não há aranhas. Gosto das teias, porque são bonitas.
Podes vir sempre. As únicas teias de aranha que, podes encontrar, são as que, às vezes estão dentro da minha cabeça.
Beijinhos
Maria

carla mar disse...

eu sei :)

beijinho

Anónimo disse...

Lembrar-me-ei para toda a vida dessa cena. A Luxa com o arzinho calmo e inocente e o Pai a achar muita gracinha à piadinha.
Dias depois vimos outra aranha dessas na casa de banho. Pareciam mesmo tarântulas, gordinhas e peludas.
Beijinhos,
João