segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Era uma vez a bicharada da Maria 21


Hesitei muito antes de vos contar esta história. Primeiro porque acaba mal, segundo porque ainda me custa falar da Mimosa. Depois pensei que ela merecia aparecer aqui.
Encontrei-a na rua, perto de casa, com muitas feridas, uma patinha tão mal que quase se via o osso, uns restos de coleira e cheia de fome e sede. Não sei porquê, entre imensas pessoas, veio ter comigo e com o meu filho. Demos-lhe de comer e fomos com ela ao veterinário. Não era bonita, mas era alegre e simpática. O Nabão aceitou-a, num misto de desprezo e desconfiança. Pouco depois eram inseparáveis. Comia muito e depressa ficou gordinha e as feridas sararam. Tinha alguns defeitos: era porquinha, roía tudo. Uma noite quando cheguei a casa, tinha terra até à porta da rua, vasos virados em cima das carpetes e dos sofás. Outra vez comeu metade dos carapaus do jantar. Não era fácil lidar com ela. Quando lhe ralhava, em vez de ficar envergonhada, ficava tão contente, que dava vontade de rir. Era muito meiga, deixava o Nabão brincar com ela, brincava com tudo.
Uma manhã saiu de casa com o dono e o Nabão e não voltou. Uma bruta, com cara de mulher, carregou no acelerador, quando devia travar, bateu-lhe na cabeça, matou-a e fugiu. O meu marido vinha branco, o Nabão parecia aparvalhado, cheirava tudo o que era dela. Tive de deitar tudo fora. Ele durante dias parecia procurá-la em casa e na rua. Nós ficamos tristes, muito tristes, sobretudo o meu marido que assistiu a tudo.
É triste o fim da história. Mas houve partes boas. Ela foi feliz uns anos, deu-nos alegria e não sentiu a morte. Tudo e todos acabam um dia. A minha Mimosa durou pouco, mas foi feliz. Eu é que ao fim de tanto tempo, ainda choro quando penso nela. Sinto saudades da minha cadelinha, pouco bonita, um pouco burrinha, mas muito simpática e meiguinha.
Até amanhã com...

8 comentários:

martim disse...

Olá Maria!

Coitada da Mimosa.
É tão triste quando perdemos um amigo, imagino a tristeza do Nabão.
Vou dormir, estou cansado.
Beijinhos amiga Maria

MARTIM

Kim disse...

As "estórias" tristes também fazem parte das nossas alegrias. Vê esse lado e terás achado a resposta.
Afinal mimosos somos todos, até que um dia um foice nos degole.
Beijinhos Marie

Anónimo disse...

A Mimosa era um bocado como a Java, só que com menos sorte. A Java também passou maus bocados e andou na rua mas teve sempre a sorte de não ser atropelada. O que aconteceu à Mimosa não tem outra razão senão a pouca sorte! Mas entre o dia que foi levada para vossa casa e esse último dia foi feliz.
beijinhos,
João

Anónimo disse...

Martim querido:
Os animais são como as pessoas: alguns duram mais, outros menos. Esta teve uma vida curta, mas no que diz respeito a felicidade, foi feliz. Teve a pouca sorte de encontrar pela frente uma "abrolha" que a matou.
Meu amiguinho, está quase a acabar este ciclo de histórias. A ti, que foste o meu primeiro leitor pequenino, tenho que agradecer estes dias de alegria, por falar dos meus amigos. A ti prometo, que na Páscoa haverá mais.
Hoje ainda há história. Amanhã será uma carta da Maria.
Obrigada por toda a ternura que me deste.
Beijos para os 4
Maria

Anónimo disse...

Kim:
É isso, amigo. A tristeza e a alegria fazem parte da nossa vida. A Mimosa foi assim. Sinto pena de a ter perdido estúpidamente, mas sinto alegria de a ter salvo e lhe ter dado amor, em troca do amor dela. É isso que me faz pensar que apesar de tudo, valeu a pena.
Beijinho
Maria

Anónimo disse...

Filho:
Tens razão. A Mimosa foi uma Java, com menos sorte.
Foi feliz enquanto esteve comigo (lembras-te como era alegre e brincalhona?), teve a pouca sorte de encontrar uma estúpida que a matou.
Como as pessoas, há cães com mais ou menos sorte.
Beijos
Mãe

martim disse...

Olá Maria, outra vez!

Eu também te prometo que continuarei a vir aqui.
Gostei muito das tuas histórias.
Agora, vou ao Mar com a Mãe e com a Mariana. Mais tarde, a Mãe vai fazer bolinhos. Ela diz que vão ser pasteis de nata!
Eu, acho, ou melhor tenho a certeza que ela está a gozar :D
Depois conto-te.
Beijinhos e até mais tarde.

MARTIM

Anónimo disse...

Martim:
Bom passeio e bons bolinhos.
Espero sempre as tuas visitas e fico contente com os teus comentários. Ainda bem que gostaste das histórias. Qualquer dia há mais.
Beijinhos meu amiguinho.
Maria